As poderosas pharmacias.

                       

          Interessante como hoje o número de farmácias explodiu pela cidade, brincam que vai ter até uma ¨festa Municipal das Farmácias¨ de tanto que este segmento cresceu.

         Hoje chegamos em uma farmácia e não sabemos quem é o farmacêutico responsável, mas antigamente íamos atrás deste profissional que era uma espécie de médico, para casos mais simples conseguíamos já sair dali medicados.

         Quem não se lembra do Sr João da farmácia Campos, Sr. Heleno da Drogaria Divinópolis , Sr. Francisco da Farmácia São Geraldo , Sr. Hélio da farmácia Popular e do nosso grande amigo e vizinho Sr. Artede .

         Como foram importantes  em nossas vidas, e não negavam atendimento a ninguém.

         Morávamos ali na esquina de Independência com São Paulo e por sorte tínhamos como vizinho Sr. Artede. Esta família fez e ainda faz parte da minha história, Sr. Artede era casado com a Dona Celuta e desta união vieram os filhos Olga, Sabina,  Tedinho, Zenon, João,  José, Angela, Fernando e Iara, uma turma diferenciada, tenho casos e casos vividos ali naquela deliciosa casa.

         Sr. Artede vivia ali numa linda casa na descida da Rua São Paulo onde hoje é o restaurante Batista e tinha sua farmácia um pouco mais embaixo onde hoje funciona o cartório, sua turma era animada pois era muita gente e o que não faltava era movimento.

         Olga sua filha morava no Paraná em Luanda e quando chegava era um grande acontecimento na rua, para mim que era pequeno acreditava que ela vinha do exterior, era chique demais.

        Um dos melhores casos, desta turma, foi a chegada do seu filho José Osvaldo, que morou um período no exterior, USA, uma coisa fora do comum para a época. Ao descer do carro, a vizinhança já tomava conta da rua para ver a chegada do famoso vizinho, que ao descer falou algumas palavras em inglês e se mostrou confuso em entender o nosso português, loucura todos ficaram alarmados :¨O Zé esqueceu como se fala aqui¨, até notarmos que era palhaçada o pânico foi geral kkkk.

       Mas voltando a farmácia, adorava passear por lá e ir no estoque, existia um remédio feito pelo Sr, Artede que se chamava Limonada Lática, era vendido em vidrinhos, parecido com as garrafinhas do guaraná Pon Chique, e tampado com rolha, era delicioso eu como era muito guloso dava um jeito de beber escondido colocar a rolha e sair como se nada tivesse acontecido.

        Sr. Artede era um grande farmacêutico, um verdadeiro cientista que ajudou a muitos com seus remédios milagrosos.

        Bom tempo aquele que sabíamos onde ir para procurar ajuda e sair de lá certo da cura.

        E eu continua aqui torcendo sempre por melhores dias, TOK EMPREENDIMENTOS Rua Cristal 120  centro.               

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.