Gincana do Jornal Agora

          Naquela manhã no colégio São José e São Geraldo chegou a notícia que teríamos uma Gincana na cidade, quase não aguentamos a aula acabar para correr no Jornal Agora e saber da novidade.

          Ali descobrimos que a coisa ia acontecer mesmo, que já existia algumas equipes e mais ou menos como seria, pois a própria coordenação, chefiadas pelo Cel Faria e Sônia Terra, ainda não imaginavam o tamanho e importância, para nossa cidade, que aquilo tudo iria virar.

        Saímos e fomos a procura de uma das equipes, seu QG ficava na esquina de Getúlio Vargas com Paraíba, era a LUCAS CAR.

        Compramos nossa camisa e já saímos programando como iríamos dar o sangue pela nossa equipe.

        Foi muito difícil segurar a ansiedade pela espera da gincana. Eis que chega o famigerado dia ou melhor naquela semana que antecedeu já não fizemos mais nada que não fosse sobre a gincana.

       Nossa equipe era uma coisa muito louca, aquilo de muito cacique para pouco índio, todo mundo ficou meio perdido, muito grito muita correria e muita luta.

      As primeiras provas foi aquela coisa de incentivar a moçada, provas mais fáceis e muito resultado, na parte da tarde a coisa começou a apertar, e o pau foi arriado até o final.

     A energia era uma coisa surpreendente, o palanque foi montado na savassinha , com uma equipe de jurados formado por entendedores de várias áreas da sociedade. Na praça o som nas alturas avisa como estava indo a gincana, ali era entregue as provas, com tempo pré-determinado, onde acontecia as apresentações.

      Era uma loucura naquele primeiro ano quase ninguém tinha carro para ir atrás dos pedidos, por tanto o negócio era correr a pé. A cidade virou uma loucura, era gente entrando e saindo de tudo que era lugar, trazendo de tudo, de livro a roupas diferentes, de gente famosa a animais raros, pessoas que cantavam, contavam casos, faziam mágica, o que era requisitado tinha que ser apresentado.

     Nesta primeira gincana não existia patrocínio, cada um dava o que tinha o que valia era a lei do mais esperto e ágil.

     Para nossa alegria vencemos a primeira Gincana do Jornal Agora e saímos já arquitetando como seria o próximo ano.

     Época de ouro da nossa Terrinha, tempos que a juventude tinha onde extravasar ainda ajudando a quem precisava. Tempo de respeito, solidariedade e união além de ser uma festa linda que unia a cidade toda na alegria. 

     E nós da TOK EMPREENDIMENTOS continuamos aqui torcendo por momentos melhores para nossa juventude.

                      

   

 

          

 

           

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.