O poder do perdão

                             

 

            Interessante com a medida que envelhecemos mudamos nossa maneira de pensar e agir. Estou numa fase de fazer uma análise do que vale ou não a pena na vida.

           Sempre acreditei nas pessoas, achava que o ódio existia e sempre estava aí, mas nunca tão perto de mim. Num belo dia a ficha caí e você percebe que aquelas pessoas que você amava não existem mais, ou melhor nunca foram aquilo que pareciam ser, aí ficou aquele sentimento de ódio e rancor.

         Este sentimento não desejo a ninguém, existe momentos que a fúria é tão grande que sua vontade é matar, e aqueles que você esperava mais alguma coisa, continuam a tentar te ferir mais ainda.

         Sempre fui e sou uma pessoa guerreira, quem me conhece sabe disso, nunca medi esforços para ajudar, sou afoito e sei que na hora que pisam no meu pé não deixo por menos e quebro o pau.

         Agora me vejo numa fase de mudanças, não quero ter mais ódio de ninguém, acredito que o sentimento que você manda é o que recebe de volta.

        Outro dia minha amiga Lucília me perguntou o que fazer com o sentimento de ódio por alguém que te fez muito mal, de cara te disse que este ódio está fazendo mais mal para ela do que para o sujeito, que no meu caso tentaria resolver este problema. Primeiro a força da fé e da energia positiva são as melhores armas, quando você enxerga que quem te fez tão mal é uma criatura péssima e tem uma vida fudida, pinta aquele sentimento que o infinito vai dar o troco merecido. Aí minha amiga é só correr pró abraço, bate palma e manda subir, aquele ser não mais existe no seu universo.

       Você não imagina como estou batendo palmas e mandando subir, quem me incomodava não mais existe.

      A cada dia procuro novas experiência, aprendi a perdoar e o mais difícil, mas não impossível pedir perdão.

      Hoje escutei uma história que me marcou muito: Um dia um homem conseguiu uma luz, ficou tão feliz que quis guardar somente para si. Passou um tempo e seu fascínio continuou, mas notou que sozinho aquela luz poderia acabar e sem ninguém para comtemplar essa energia. Resolveu dividir sua luz e passou para outra pessoa. Com a divisão desta luz, o homem notou que seria mais difícil perde-la e ao mesmo tempo espalhando o bem. Assim começaram a espalhar esta energia e receberam não só a segurança da perpetuação daquela luz, mas também o retorno do amor, de quem recebeu aquele bem, criando assim uma grande corrente.

        Peço ao criador que me dê sabedoria e discernimento para seguir minha caminhada, que aprenda a cada dia amar mais e matar o ódio.

       E continuamos aqui na TOK EMPREEDIMENTOS realizando sonhos , Rua Cristal 120, centro.                   

   

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.