Os 101 anos do meu padrinho Amnys Rachid

 

         Nesta semana comemoramos com um orgulho imenso os 101 anos do meu querido padrinho e tio Amnys Rachid, um homem especial.

         Acredito que tenho a quem puxar meu padrinho também adora contar casos e não deixando para trás os melhores detalhes, que os tornam deliciosamente viajantes.

        Um dia desses me narrou como foi sua chegada aqui na nossa terrinha: Moço novo recém-casado com sua doce Elvira Batista Quadros, minha querida tia Vica, com toda vitalidade e coragem do mundo escolheu Divinópolis para abrir o seu comércio. Rodou o centro todo e ao chegar na Rua Goiás quase esquina com Av. Independência encontrou uma casa muito velha e em péssimo estado de conservação, procurou a proprietária, uma senhora esposa de um fazendeiro com um jeito meio abrutalhado de ser, perguntou se ela o alugaria a casa para que pudesse abrir seu comércio, entraram num acordo e no outro dia começou a reforma.

          Arrumou um rapaz para ajuda-lo e chegou o rei no serviço, no meio da empreitada foi surpreendido com um senhor olhando e imóvel, perguntou o que queria e o mesmo lhe informou que estava comprando a casa, meu Tio foi no outro mundo e voltou, saiu correndo e foi atrás da proprietária. Ao chegar todo afoito foi logo perguntando o que estava acontecendo com o imóvel que tinha alugado, sem muitas palavras a mulher foi dizendo: O turco o imóvel está á venda se quiser é seu ou vendo para o outro homem. Vendo que não existia saída fechou a compra da casa pedindo que lhe desse uns dias para o pagamento.

             Saiu dali sem saber o que fazer, pensou bem e lembrou que seu pai, meu avô Alfredo Rachid, poderia lhe emprestar. Pegou o trem rumo a Belo Horizonte e de lá para Nova Lima onde residia seu pai, mas ao chegar no Cajurú encontrou com seu primo Nagib Mileib que foi logo lhe perguntando onde estava indo, narrou ao primo os acontecimentos e o mesmo mandou que voltasse para Divinópolis pois ele mesmo iria lhe emprestar o dinheiro para compra.

              Ao voltar para cidade já bem mais tranquilo foi na esquina, num buteco, e pediu um café a senhora que o serviu foi logo perguntando se era ele que tinha adquirido aquela casa velha, meu tio todo orgulhoso disse que sim e a senhora foi logo falando que tudo que entrava ali não dava certo pois no local existia cabeça de burro enterrado. Meu tio quase não engoliu o café e foi logo dizendo que podia ter cabeça de burro, de cavalo, de girafa que ali o comercio iria dar certo. E nada como ter convicção e trabalho em poucos anos a Casa Orion virou a fera da cidade que todos tiveram que engolir.

           Parabéns pelos  101 anos de vida e realizações, meu querido padrinho e tio Amnys Rachid.

           E eu continuo aqui realizando grandes vendas para um povo de uma grande cidade, TOK EMPREENDIMENTOS, Rua Cristal 120, centro.

              

          

           

    

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.