Volta as aulas

     Pare e pense, todo mundo já passou por esta experiência, aquela sensação do primeiro dia de aula.

     Quem serão os meus colegas de sala, os professores, minha sala, as matérias, os horários, ufa de novo na rotina.

      Adoro lembrar do meu começo, se fechar os olhos me lembro do short azul marinho e da camisa branca de algodão, com um bolso com o nome da escola, o tênis preto e a meia branca até os joelhos, tudo muito limpo e bem passado, de banho tomado, cabelo bem penteado e bem cheiroso. Na saída minha mãe roubava uma flor do nosso jardim e me entregava para dar a professora, assim com a merendeira de um lado e a pasta do outro lá ia eu.

     A chegada era um surto de alegria, medo, curiosidade e muita expectativa pelo mundo novo.

     Na nossa época antes de entrar para a sala de aula todo mundo ficava no pátio em fila indiana, ali cantávamos os hinos de Divinópolis, de Minas Gerais e do Brasil, só então íamos para a sala seguindo a professora em fila, todo mundo direitinho.

     Cada um tinha sua carteira marcada, os menores e com problema de visão na frente, as carteiras eram duplas e como era vergonhoso quando a professora colocava uma menina do seu lado, era a morte. Para tudo existia regras, para pedir alguma coisa se levantava a mão, ir no banheiro era um martírio, na maioria das vezes a professora te lavava a cara para saber se era verdade, muitos davam o golpe para fugir da sala.

     Para mim o melhor horário era o recreio, sempre fui guloso, tinha aquilo que merendava de graça quem era carente, merendei muito ali até que me entregaram e fui chamado atenção.

      Até no recreio existia regras, podíamos correr até a metade do tempo e depois descansar para entrar de novo para sala.

      Achava minha escola Padre Matias Lobado, linda o prédio era muito novo ficando enfrente a praça do santuário, novinha era ponto de encontro de toda a cidade. Lembro-me que na frente da escola existia um grande jardim com uma fonte em formato do mapa de Divinópolis, ali plantamos uma muda de pau brasil, hoje uma majestosa árvore. 

      A vida era boa e cheia de emoções... E nós continuamos aqui ajudando a concretizar sonhos. TOK EMPREENDIMENTOS Rua Cristal 120, centro.        

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.