AS MULAS DO TRÁFICO INTERNACIONAL.

Há um programa muito interessante do National Geographic (salvo engano) que mostra o trabalho da Polícia Federal em aeroportos de diversos países, inclusive o Brasil.

A maior parte das ocorrências se refere a tráfico de drogas, além de algumas tentativas de imigração irregular.

Todos os casos de pessoas presas em aeroportos por carregarem drogas comprovam o fato de que os verdadeiros traficantes permanecem protegidos do peso da lei. Quem cai nas mãos dos agentes são as chamadas “mulas”. E quem são eles?

As mulas são pessoas contratadas para transportar certa quantidade de drogas numa rota internacional. Você não vai encontrar entre eles nenhum magnata do crime carregando cinco quilos de cocaína entre o Peru e a África do Sul. As pessoas que realizam esse trabalho são cooptadas entre os miseráveis e desesperados.

Pessoas pobres são selecionadas por emissários dos reis do tráfico, recebem uma oferta tentadora para seu padrão de vida e aceitam. É uma chance cujos riscos eles conhecem bem mas, para um desesperado, é uma chance.

Não são bandidos, quase a totalidade deles jamais empunhou uma arma ou sequer praticou um furto. Aceitam o risco pra tentar melhorar de vida ou, apenas, comer. Camponeses, professores, artesãos, estudantes.

Sim, senhores, eles são fora da lei, traficantes sob o ponto de vista legal. Diante da norma fria, constituem um perigo para a sociedade.

Agora vamos falar a sério?

Qual a utilidade em barrar Jose Fernandez, camponês peruano que tenta levar 6 kg de cocaína de Lima a Nairobi?

Ora, Bruno, serão 6 kg a menos de drogas ilícitas circulando por aí.

Ok, são mesmo. O suficiente pra atrapalhar um pouco a vida do traficante que aguardava o produto no destino. Mas qual o peso dessa ação no mecanismo de tráfico de drogas internacional?

Nenhum. Zero. O magnata do pó continua em sua mansão ou na cadeira do Parlamento, quiçá numa confortável sala de reuniões num prédio de luxo na Avenida Paulista enquanto centenas de outras mulas passam. Aquela que foi pega é só um número na estatística.

Acho que a busca por mulas nos aeroportos é importante para se puxar o fio da meada, a fim de se chegar ao chefão, ao deputado, ao empresário, ao sujeito que comanda e sustenta a treta toda. Meter uma mula por 15 anos na cadeia é inútil, desumano, estúpido, inútil.

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.