FALTOU A GENTE FALAR DE UMA TRAGÉDIA

Foram tantas desgraças enfileiradas ao longo de poucas semanas que uma delas acabou passando relativamente em branco no noticiário geral.

A coleção aparentemente interminável de tragédias sequenciais começou com a criminosa Vale a matar 300 em Brumadinho, passou pelo incêndio no Ninho do Urubu a ceifar dez vidas ainda aprendizes e, ainda, a súbita morte de Ricardo Boechat e o cruel e documentado assassinato do jovem no Supermercado Extra.

Talvez o assombro com tanto revés tenha mantido nas sombras o caso do morro do Fallet. Ou, quem sabe, o caso seja apenas o habitual desinteresse que despertam os pobres, negros, “favelados”.

 

A carne mais barata do mercado é a carne negra

Que vai de graça pro presídio

E pra debaixo do plástico

Que vai de graça pro subemprego

E pros hospitais psiquiátricos

 

A letra forte de Elza Soares canta alto pra gente trazer à tona que, no dia 8 de fevereiro, quinze pessoas foram mortas em áreas pobres do Rio de Janeiro durante uma operação policial.

Quatro fuzis, quatorze pistolas, seis granadas, três radiocomunicadores e drogas foram apreendidos. Quinze vidas foram tiradas.

Testemunhas afirmam que não houve confronto. Alguns foram torturados por 40 minutos antes de serem mortos. Conforme a Defensoria Pública, há “fortes  indícios de fuzilamento”. Oito foram mortos com tiros pelas costas e na cabeça, o que indica não ter havido confronto nenhum.

Se eram bandidos, não sei. Provavelmente muitos o fossem. Mas não me consta que tenhamos pena de morte no Brasil, muito menos tribunal de julgamento imediato, em que o próprio policial dá e executa a sentença no ato.

O deputado Rodrigo Amorim, que considera a morte de Marielle Franco um fato a ser comemorado, pretende homenagear com uma medalha os policiais responsáveis pela barbaridade do último 8 de fevereiro. “Foi uma ação heroica do Bope e do Choque. Eles ceifaram a sociedade de bandidos que tentavam render o Rio”.

Parece que os discursos violentos de gente como esse deputado e o próprio governador do Rio já estão produzindo efeitos. Eu gostaria de lembrar que bandido fardado também é bandido.

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.