QUAL É A DO ALEXANDRE GARCIA?

Há muitos anos melhorei meu café da manhã ao evitar o azedume de Alexandre Garcia. Era garantia de engasgar com o pão se eu topasse com ele no Bom Dia Brasil ou na Rádio Itatiaia.

O problema de Garcia não é sua posição política. Falta de qualificação também não se cogita, visto que se trata de pessoa culta. A perturbação dele está ligada ao fato de ser extremamente e, creio, propositadamente amargo.

Minha conclusão pode ser ilustrada por um tweet de hoje do jornalista, que reproduzo a seguir:

 

Fico pensando na perplexidade dos foliões, entre dois estímulos: primeiro, distribuem camisinhas; depois, alertam que assédio é crime.

 

Tenho certeza que Alexandre Garcia não é idiota o suficiente pra acreditar na conexão que ele próprio forçou nessa manifestação. Não sendo estúpido, só pode ter sido maldoso ou, quem sabe, na melhor das hipóteses, babaca total.

Alexandre Garcia não é um jovem desinformado nem tampouco matuto iletrado. Se realmente acredita na afirmação que divulgou no Twitter talvez seja lunático, pois me parece óbvio que o incentivo ao uso de preservativos não tem qualquer relação com instigação a assédio sexual.

Supondo que o jornalista esteja suficientemente bem informado, considero importante fazer chegar a quem lê essa coluna algumas informações:

1 – O uso de preservativos é fundamental não somente para prevenir gravidez indesejada mas também para evitar doenças como sífilis, AIDS, gonorreia e muitas outras;

2 – Assédio sexual é crime.

3 – Campanhas que divulgam formas de prevenção de doenças e distribuem preservativos pretendem proteger as pessoas, especialmente os jovens e previnem problemas de saúde pública.

4 – Oferecer gratuitamente camisinhas só incentiva crimes sexuais se você estiver predisposto a cometer o ato criminoso.

 

Se eu pudesse aconselhar, diria: não prestem atenção a Alexandre Garcia e, claro, usem camisinha.

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.