segunda-feira, 30 de Outubro de 2017 10:38h Raquel Helena

Novembro Azul conscientiza homens para prevenção do câncer de próstata

Depois de o mês de outubro ser marcado pela campanha de mobilização para prevenção do câncer de mama, conhecida como Outubro Rosa, agora é a vez dos homens. O mês de novembro é internacionalmente dedicado às ações relacionadas ao câncer de próstata e à saúde do homem. O mês foi escolhido pois o dia 17 é o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata.

A fim de alertar o público masculino sobre a importância do autocuidado em saúde e aos governantes sobre a necessidade de priorizar políticas públicas voltadas à saúde do homem, surgiram diversos movimentos ao redor do mundo, o Novembro Azul é um dos mais conhecidos a fim de alertar o público masculino sobre a importância do autocuidado.

Além do câncer de pele, o câncer de próstata é a neoplasia mais comum em homens. As estimativas do Instituto Nacional de Câncer, para 2016/2017, são de 61.200 novos casos de câncer de próstata.

A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que todos os homens com 45 anos de idade ou mais façam um exame de próstata anualmente. O exame de toque, junto com o PSA(exame de sangue) devem ser feitos anualmente, como rotina. É fundamental que todo homem entenda que a saúde deve ser colocada em primeiro lugar, acima de qualquer construção cultural que possa levar ao preconceito.

DIREITO A COBERTURA INTEGRAL DO TRATAMENTO

Tratamento no SUS-Quem tem direito ao tratamento pelo SUS?

A atenção à saúde no Brasil é de acesso universal. O Ministério da Saúde garante o atendimento integral a qualquer doente com câncer, por meio do Sistema Único de Saúde, o SUS. Atendimento integral significa proporcionar ao doente todos os cuidados de que necessita para a cura ou o controle da doença.

Planos de Saúde-Quais as normas para quem tem plano de saúde?

O tratamento oferecido pelos planos de saúde obedece a chamada Saúde Suplementar, que é de caráter geral. Os planos de saúde têm os procedimentos para tratamento de câncer relacionados em um Rol de Procedimentos publicado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS.

Assim, quando o paciente é diagnosticado portador de câncer de próstata ele recebe de seu médico a indicação do melhor tratamento que objetivará a cura da moléstia. A partir daí começa o calvário para a maioria dos pacientes, ou seja, requerer do plano de saúde autorização para o tratamento proposto pelo médico.

DA NEGATIVA PELO PLANO DE SAÚDE- Porém, mesmo com a existência de indicação expressa de profissional apto, no caso, o médico que acompanha o paciente, as operadoras de planos de saúde negam a autorização de cobertura sob o fundamento de que referidos procedimentos e medicamentos não se encontram no Rol da ANS. Ocorre que, referido argumento não é suficiente para as negativas emitidas pelas operadoras de saúde.

Os Tribunais de Justiça do país estabelecem que se há a expressa indicação médica, não prevalece a negativa de cobertura e a torna abusiva sob o argumento da sua natureza experimental ou por não estar previsto no rol da ANS.

A medicina é uma ciência que avança rapidamente. Não se pode permitir que o paciente não tenha acesso aos melhores recursos terapêuticos apenas porque a ANS não é capaz de atualizar, satisfatoriamente, os procedimentos incluídos nesse rol.

O Supremo Tribunal de Justiça  já decidiu que  não é o plano de saúde, mas sim o médico responsável que tem a competência para determinar o tratamento, o qual deverá ser acatado pelo plano de saúde.

Assim, pelas recentes decisões, verifica-se que o Judiciário tem se posicionado no sentido de que os pacientes portadores de câncer de próstata possuem o direito de serem submetidos a procedimentos cirúrgicos e medicamentosos inerentes ao tratamento oncológico, com a cobertura fornecida pelo plano de saúde contratado, ainda que seja prática das operadoras negarem o seu custeio.

Para os homens de plantão, cuidem-se! Saúde deve vir sempre em primeiro lugar.

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.