O poder da imprensa e a educação

Atualmente, a imprensa tem um grande poder em mãos que é a informação. Dependendo de um veículo de informação para outro, as “verdades” mudam, sejam por pontos de vistas diferenciados ou por outros motivos de “força maior”. Mas o fato é que se um telespectador, no caso da televisão, adotar uma emissora favorita, sua verdade passará a ser aos moldes dessa agência noticiosa. É imensa a influência que a imprensa exerce sobre as pessoas, portanto ela deve ter uma regulamentação de maneira que “peneire” as informações, levando ao cidadão o que realmente é necessário, o dito "interesse público", apesar que este, ultimamente, está focado em notícias de fofocas e algo do gênero (será abordado adiante sobre este assunto). A mídia, atualmente, coloca e retira os governantes do poder com uma simples notícia, seja verdadeira ou falsa. Se for falsa, será essa a nossa tão sonhada democracia? Claro que não! O povo brasileiro sonha em ser um povo justo, alegre, amistoso e seguro, os quais todos tenham “voz ativa” diante dos assuntos importantes que atinjam a sociedade, e que seus direitos e a sua dignidade fossem respeitadas, mas para isso deve a imprensa, com muita ética, proporcionar a verdade para o cidadão. Para limitar esse vasto poder dos meios de comunicação é necessário um controle em âmbito federal, não para impor a censura, mas para tudo aquilo que for benéfico seja passado ao público de forma justa e coerente, mesmo sendo notícias desagradáveis. Que benefícios seriam esses? A resposta é simples. Seriam as informações dos acontecimentos recentes de qualquer natureza, desde que visem ao já mencionado interesse público, mantendo o cidadão “atualizado”, oferecendo-lhe a oportunidade de ter uma opinião própria sobre os fatos, permitindo-lhe que se conforme, indigne, lembre, goste, ou seja, que pense por ele mesmo. Um cidadão bem informado será de fato um cidadão e o desenvolvimento correto de uma sociedade depende dele.

 

 Com a educação sendo levada mais a sério, sem dúvida, iria resolver não somente os eventuais problemas de imprensa ou de "esquecimento" da efetiva cidadania, mas também como tantos outros que assolam o país. É um efeito dominó, quanto menos educação, mais violência, desgraça etc., mas com mais educação, irá existir mais saúde, menos violência, maior cidadania, mais respeito, ou seja, somente benefícios, mas para isso deve ser plantada e cultivada a semente chamada educação. Um poderoso agente que poderia, se não sugerir, de pressionar o Poder Público para resolução dos problemas sociais, como a educação, é a imprensa (a mídia), mas infelizmente em uma boa parte, os interesses são maiores que os da população como um todo, essa mesma que deu origem a esses veículos, e mais do que nunca, o capitalismo reina soberanamente da forma mais selvagem e cruel, a ponto de valores tão preciosos serem esquecidos por simples pedaços de papel.  

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.