O milagre da fé!

“A fé é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos, e a prova de que existem coisas que não vemos” (Hebreus 11, 1). Em geral, associamos fé com religião. O que não está errado, mas é  algo que vai além. Acredito que uma fé madura seja o fermento de uma espiritualidade forte. Sem a fé não pode haver religião, isto é, a pessoa não se religa a Deus. Então, a fé antecede a religião. O apóstolo Paulo faz duas afirmações. A primeira—“A fé é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos”—é fácil de entender. A pessoa de fé é aquela que não dúvida que suas necessidades serão atendidas. Envia a carta e espera a resposta com confiança. A carta partiu, a resposta chegará. Não vai todos os dias ao correio para ver se a carta foi realmente enviada, ou verificar se a resposta já chegou. Tem uma confiança inabalável de que tudo vai correr bem. Isso é fé!

Já a segunda afirmação—“A fé é a prova de que existem coisas que não vemos!”—não está tão clara assim. Quer dizer, então, que a minha fé é a prova de que há algo que não posso ver com meus olhos físicos? De acordo com a ciência, se não posso ver, se não consigo experimentar, nem mesmo ouvir, então não existe. O saber científico se baseia no método experimental. Para validar algo é importante que tenhamos condições de experimentá-lo na prática. Não vale ficar apenas no campo das conjecturas. O método científico é de grande utilidade, pois nos libertou de inúmeras superstições. Antes o ser humano pensava que a Terra era o centro do universo. Quando teve condições de observar o movimento dos astros, chegou a conclusão de que isso era uma crença errônea.

Meus pais me disseram que comer manga com leite fazia mal. Se eu fizesse isso ficaria doente. Até que um dia, criei coragem e misturei a fruta com o leite em um liquidificador. Derramei a mistura em um copo e tomei com cautela. Verifiquei que era uma delícia. Mais ainda, não me fez mal algum. Eu provei para mim mesmo que manga com leite não fazia mal. Depois li que a combinação desses dois elementos não só não faz mal, mas que também é recomendável, pois fornece vitaminas e minerais benéficos ao organismo (betacaroteno, vitaminas A ,C e D, fósforo, ferro, cálcio e proteínas). A lenda foi criada pelos senhores de engenho para diminuir o consumo de leite pelos escravos, pois eles comiam uma grande quantidade de manga. E, chegou até a época de meus pais.

Entramos então em outro universo: a fé faz com que coisas imaginárias se tornem verdade. Não presenciei isso, mas acho que—se meus pais fossem forçados a juntar manga com leite e beber—é bem provável que ficassem doentes. Pois, tinham uma crença inabalável nessa lenda. Por incrível que pareça isso acontece com frequência. Uma crença, mesmo que seja errônea, pode causar manifestações físicas, tal é o poder da sugestão. Uma vez que a nossa mente acredite em uma coisa, ela fará tudo para que aquela crença seja confirmada. Na juventude eu escutava minhas colegas repetindo algo assim: “Homem não presta!”. As que, de fato, acreditaram nisso foram mal sucedidas no casamento. Felizmente, nem todas tinham esse tipo de crença.

Então, o que significa que a “fé é a prova de que existem coisas que não vemos”? Na época da inquisição as pessoas que dissessem que a Terra não era o centro do universo corriam o risco de serem condenadas à fogueira. Para os que acreditavam que a Terra era o centro—e que tinham poder—aquela mentira havia se tornado algo tão verdadeiro, que até mesmo justificaria queimar alguém que duvidasse. A fé daquelas pessoas era a “prova” de que acontecia algo que não podiam ver. A crença de meus pais de que manga misturada com leite era veneno era tão forte que se tornou “prova” para uma superstição.

São Paulo estava certo ao afirmar que “a fé é a prova de que existem coisas que não vemos”. Certíssimo! No caso da Terra como centro, a fé antiga era tão forte que—para eles—de fato, o universo inteiro girava em torno deste grão de areia perdido no espaço. No caso da manga com leite, a crença de meus pais era tão forte, que—para eles—a tal mistura se tornaria um veneno, até mesmo mortal. De que, então, falava São Paulo, quando disse que a fé prova que existem coisas que não vemos? Falava que a fé consegue ser prova tanto de coisas que não são verdade (Terra no centro; manga com leite; homem não presta), quanto de coisas que são verdade, mas que não são visíveis, nem experimentáveis. Para que essas verdades (não visíveis) se manifestem é necessário que a fé seja inabalável, tipo cura de enfermidades (milagres comprovados) ou realizações tidas como impossíveis (o pequeno Davi mata o gigante Golias; a frágil mãe levanta o veículo para salvar seu filho).

A fé é, pois, sobrenatural e paradoxal. Pode fazer com que as autoridades enviem alguém para a fogueira, que pais proíbam a ingestão de um alimento saudável e que mulheres sejam infelizes para sempre—simplesmente porque tiveram fé. Sim, tiveram fé, mas com o sinal errado. Não era uma fé positiva, fortalecedora, mas negativa! É preciso, portanto, ter o discernimento para estar sempre do lado bom da vida, do lado do otimismo e da fé positiva—acreditando que a resposta para a nossa carta vai chegar, que a Providência Divina vai providenciar, e que, o milagre vai acontecer!

 

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.