O poder da gratidão

Ômar Souki

O poder da gratidão

Ômar Souki

Você se lembra de agradecer pela chegada de um novo dia? Pela graça da respiração? Pela dádiva do alimento que está prestes a ingerir? Pela sua saúde e boa disposição para o trabalho? Pelo abraço que recebe das pessoas queridas? Pelo sol que ilumina seus dias e pela lua que encanta suas noites? Pela chuva mansa que o faz adormecer? Pelo cantar dos pássaros e pelo sorriso da criança?

Além desses agradecimentos, pelas coisas que nem achamos ser preciso dar graças, existe aquele outro tipo de gratidão: o agradecimento aos funcionários pela dedicação e o muito obrigado aos clientes pela preferência. Esse segundo tipo de agradecimento é considerado necessário e imprescindível ao bom andamento de nossos negócios. De fato, é difícil imaginar um ambiente de trabalho sem a cortesia mínima do muito obrigado pelo desempenho dos colaboradores e sem um robusto pós-venda, isto é, acompanhamento da utilização dos produtos ou serviços até a certeza da satisfação total do cliente.

Robert Emmons, professor de psicologia na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, desenvolveu pesquisas nessa área e descobriu que “a gratidão é um fenômeno profundo e complexo que desempenha um papel crucial na felicidade humana. É, literalmente, uma das poucas coisas que podem mudar de forma mensurável a vida das pessoas”.  Seus estudos comprovam, de forma científica, que o cultivo da gratidão faz com que as pessoas obtenham benefícios em várias áreas da vida: psicológica, física e interpessoal. Ele verificou que a pessoa que faz da gratidão uma prática constante parece ser mais feliz e é considerada como uma melhor companhia.

Por incrível que pareça, a gratidão mais necessária, o agradecimento pela graça da vida, é também uma das mais esquecidas. A pressa e a agitação  impedem que tenhamos uma consciência mais ampla da dádiva que é a própria vida—o simples fato de estar vivo. Essa dádiva vem do Supremo Doador. As diversas tradições religiosas estão baseadas no louvor a Deus e no agradecimento constante pela graça da vida. As religiões salientam as virtudes, tais como, a lealdade, o agradecimento pelos favores recebidos, a caridade, a justiça, a verdade e a honestidade. O apóstolo Paulo recomenda que é preciso fazer orações e súplicas em ação de graças e que  “em tudo é necessário dar graças”. E Buda, exorta seus seguidores da seguinte forma: “Vamos nos erguer e ser gratos, porque, se não aprendermos muito hoje, pelo menos aprenderemos um pouco, e se não aprendermos um pouco, pelo menos não ficaremos doentes, e se ficarmos doentes, pelo menos não morreremos; por isso, sejamos todos gratos”.

De acordo com Pedro Calabrez, pesquisador da neurociência, a gratidão afeta positivamente diversas áreas da nossa vida, melhorando o sono, as relações amorosas, o sistema imunológico, reduzindo o estresse, diminuindo o risco de depressão, e, além disso, nos motiva a praticar exercícios físicos que aumentam a nossa satisfação pessoal e o nosso bem estar. Ele sugere o seguinte exercício para exercitar a gratidão:

Ao final de cada dia, escrever em um caderno 3 coisas positivas que nos aconteceram, e diante de cada uma delas o porque somos gratos. Por exemplo: Tenho uma pessoa que semanalmente me ajuda com o serviço de casa. Ontem senti imensa gratidão ao vê-la retirando a roupa limpa dos varais, dobrando e colocando nas gavetas do guarda-roupa.  Além disso substituiu a roupa de cama. Senti gratidão porque ela fazia tudo com zelo, sem pressa. E eu pude vislumbrar como me sentiria bem ao desfrutar do sono no aconchego de um leito com roupa de cama limpa e cheirosa.

Einstein dizia que precisava se lembrar centenas de vezes por dia, do quanto dependia das outras pessoas. Nós também devemos nos lembrar centenas de vezes por dia do quanto somos gratos a Deus, a nossos familiares, a nossos amigos e a nossos clientes—devemos renovar constantemente a consciência do quanto dependemos do Criador e das criaturas. Os estudos de Robert Emmons, mostram que—enquanto  a ingratidão se relaciona com ansiedade, depressão, inveja, materialismo e solidão—o exercício da gratidão está positivamente relacionada com satisfação com a vida, vitalidade, felicidade, autoestima, otimismo, esperança, empatia e vontade de ajudar aos outros.  

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.