O samurai moderno.

O samurai moderno

Ômar Souki

Qual é a resposta adequada a uma agressão? Quantas vezes você é agredido por dia? Não estou falando de agressões físicas, mas, sim, daquelas que chegam a nós por meio de olhares esquisitos, de expressões faciais estranhas, de gestos indecorosos, de buzinadas estridentes ou de palavras cortantes. O trânsito é um campo de batalha. Em um universo cada vez mais poluído de veículos, e cada vez mais escasso de tempo e de espaço, todos querem chegar na hora. Chegar aonde? Ao trabalho; outro campo de batalha. E, de onde partem os guerreiros? De suas casas; outro campo de batalha. O samurai do século XXI não tem trégua nem espaço para se preparar. O seu lar, em vez de ser o ambiente no qual se exercita na paciência e na meditação, transformou-se em outra fonte de conflito. Ele ou ela, guerreiros contemporâneos, já saem de casa enfraquecidos para enfrentar as lutas que os esperam no trânsito e no trabalho. 

Como responder a um mundo que, a cada instante, nos surpreende com uma nova modalidade de ataque? Essa talvez seja uma das questões mais difíceis, e, ao mesmo tempo, de maior importância para a nossa saúde e o nosso bem estar geral. Nosso físico, nossa mente, nossas emoções e nosso espírito precisam de paz. É na paz que conseguiremos manter o equilíbrio e crescer como pessoas e profissionais. Não existe outro caminho. Observe aqueles que estão conseguindo os melhores resultados tanto em casa quanto no trabalho. São justamente as pessoas que, apesar dos desafios, conseguem manter seu equilíbrio emocional.  Essas pessoas sabem como responder aos ataques do dia-a-dia. Você sabe que o mundo não vai lhe perguntar quantas tempestades você teve que enfrentar, quer saber se você trouxe o navio de volta. Para isso, é preciso saber lidar com os ataques.

O filme O último samurai, estrelado por Tom Cruise, mostra a importância da preparação antes da batalha. Além da preparação física, é necessário que o guerreiro prepare a sua mente, as suas emoções e o seu espírito. Deve até mesmo estar pronto para encarar a derrota com dignidade, caso venha a acontecer. É preciso humildade para aceitar as coisas que não acontecem como desejamos. No caso do samurai, ele usa um sabre para se defender. Mas, atualmente seria impensável sair de casa com uma espada para lidar com as inúmeras agressões que certamente encontraremos pelo caminho. A nossa resposta deve ser outra.

O que fazer? Ter consciência de que toda agressão é um pedido de socorro. À primeira vista essa afirmação pode até parecer ridícula. Como pode a agressão ser um grito de socorro? Vou explicar. Como a maioria das pessoas se sente oprimida (em casa, no trânsito, no trabalho, etc.), usa do ataque como uma forma de desabafo. Se você contra ataca está simplesmente jogando mais lenha na fogueira.  Em vez disso, observe os seguintes passos:

Prepare-se. Através de momentos de silêncio (15 minutos ou mais, se puder), tanto pela manhã quanto à noite, acalme a sua mente. Respire fundo e busque dentro de você o manancial de paz que o Criador lhe oferece diariamente. Aquiete o seu coração.

Saiba que o alvo não é você.  O ataque, na maioria das vezes, não se dirige a você. Mas, tem mais a ver com a pessoa que agride do que com aquele que sofre a agressão. Origina-se nas carências do agressor.

Amplie seu tempo. Como? Procure viver mais no presente. Pare de se acusar. Perdoe o seu passado. Pare de se preocupar com o futuro. Fique no aqui e agora. Dedique atenção plena à pessoa que está à sua frente. Ela está pedindo socorro a você!

Resposta certa. A resposta certa é sempre a do amor. Em casa: mantenha a calma, e pergunte ao outro o que, de fato, o incomoda. Qual é a real necessidade dele? No trânsito: faça uma oração silenciosa pelo agressor, desejando-lhe todo o bem do mundo. Saia do caminho dele. No trabalho: silencie e procure saber se a agressão é por causa de alguma falha sua (o que é fácil corrigir) ou se é uma carência emocional do outro. Tenha a humildade de reconhecer quando você errar. Peça desculpas e corrija o erro. Caso seja um desabafo, o que a pessoa deseja mesmo é atenção. Escute-a com a alma. Faça com que ela se sinta importante.

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.