PLANOS DE SAÚDE SERÃO OBRIGADOS A OFERECER EQUOTERAPIA.

 

A partir de 10 de novembro de 2019 as operadoras de planos de saúde terão que custear tratamentos terapêuticos de Equoterapia para pessoas com deficiência.

O método terapêutico é reconhecido pelo Conselho Federal de Medicina e tem benefícios comprovados para reabilitação até em casos mais severos. A obrigatoriedade está prevista na Lei 13.830/2019.

A equoterapia é uma prática que pode trazer inúmeros benefícios a pessoas portadoras de deficiência. O tratamento une as técnicas de equitação e atividades equestres com a finalidade de reabilitar e educar as pessoas com deficiência.

A legislação prevê que a terapia com cavalo em abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e equitação voltada ao desenvolvimento biopsicossocial será exercida por uma equipe multiprofissional, formada por médico, médico veterinário, psicólogo, fisioterapeuta e da equitação. Também podem compor a equipe, pedagogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais e professores de educação física.

Para o Senador Flávio Arns, do Paraná, autor da proposta: “a interação com o cavalo e o ato de montar desenvolvem novas formas de socialização, autoconfiança e autoestima.

“O movimento tridimensional, para frente, para trás e para os lados é transferido do cavalo para a criança e algumas fazem referência à sensação de caminhar e de liberdade. Quando uma criança que não anda está em cima do cavalo, o cérebro dela interpreta aquele movimento como uma caminhada. E essa criança passa a adquirir força muscular na perna, que ela não exercita porque não fica em pé”, afirma Fernanda Racolto Mendes, fisioterapeuta da Associação Equoterapia de Santos, no litoral paulista.

“Atendemos crianças com deficiência física ou intelectual, e todas são beneficiadas de alguma forma. Além do trabalho de força muscular, equilíbrio e coordenação, trabalhamos memória, fala e até a inciativa dessas crianças. Nós buscamos a independência da criança, para que ela saiba tomar uma decisão”, explica Fernanda.

Os benefícios comprovados da equoterapia, técnica que reúne equitação, saúde e educação, ratificam a possibilidade de reabilitação até mesmo para pessoas com deficiências severas. O tratamento pode ser aplicado em diversas situações e permite uma interação com o animal que ultrapassa o condicionamento físico.

A lei efetivamente entrará em vigor em 10 de novembro, data a partir da qual os planos de saúde não poderão mais negar este tipo de tratamento.

raquelhelenaadv@gmai.com

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.