Produção de veículos cresce em Outubro, mesmo com queda nas exportações.

A indústria automobilística brasileira segue em crescimento, mesmo com algumas adversidades. A produção de veículos cresceu 9,6% em outubro, comparando com o mesmo mês no ano passado. Foram 288,5 mil produzidos em 2019 contra 263,2 mil em 2018. De acordo com Luiz Carlos de Moraes, presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, esta foi a melhor produção dos últimos 14 meses.

A maior adversidade que a indústria vem encontrando é a queda no número de exportações. Apenas em 2019, o número de veículos vendidos para fora do país caiu 34,7%. Essa queda se deve, em grande parte, à crise na economia da Argentina, um dos maiores parceiros comerciais brasileiros e maior comprador de veículos nacionais.

O motivo que faz a produção aumentar tanto, mesmo com as exportações em queda, é o aquecimento do mercado interno. Os brasileiros estão comprando mais carros do que no último ano. Em 2019, o número de vendas dentro do país cresceu 8,7% em relação a 2018. Mais de 2,1 milhões de veículos já foram comercializados no ano, incluindo os leves e os pesados.

Em outubro, particularmente, o número de vendas foi menor do que em 2018, com uma queda baixa de 0,5%. Foram vendidos no mês 253,4 mil veículos. Mas, comparando com o mês de setembro, o número de vendas cresceu 7,9%. O presidente da Anfavea relatou ainda que as montadoras fecharam o mês com um estoque de pouco mais de 365 mil veículos, o que é suficiente para 43 dias de vendas.

Em Minas Gerais, o crescimento das vendas é ainda maior do que a média nacional. No primeiro semestre de 2019, foram emplacadas mais de 342 mil unidades, contra 254 mil nos primeiros seis meses de 2018, totalizando uma alta de 34,63%. Considerando todo o território nacional, a alta no período foi de 13%. A economia do nosso estado está aquecida por conta do aumento das exportações.

Ainda sobre outubro, o Brasil exportou 29.964 veículos, 18,2% menos do que no mesmo mês em 2018. A queda das exportações no último mês, mesmo sendo alta, foi menor do que a média anual, sinalizando uma possível recuperação dos números.

No início do ano, a projeção das concessionárias era de que as vendas aumentassem 10,1% no ano, número um pouco maior do que o atual. Esse otimismo era embasado na oferta de crédito, pois havia na ocasião cerca de 167 bilhões disponíveis para financiamentos de veículos no país.

O aumento das vendas de veículos movimenta as finanças de vários trabalhadores, desde os próprios funcionários das montadoras, que empregam quase 128 mil pessoas, até quem trabalha com o comércio de itens automobilísticos, como capa para volante, tapetes e capas para banco, passando pelos trabalhadores da manutenção e também pelos negociadores de veículos usados.

 

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.