CRITICA: O Chocante filme Sabrina, a Boneca Maldita

Netflix estréia obra indonésia, com influencia de Annabelle e Invocação do Mal

CARLOS HENRIQUE MONTEIRO. 

Inspirado no grande sucesso feito por Annabelle, que teve dois filmes solos e  grande participação no filme invocação do mal, o diretor Rocky Soraya lançou o filme indonésio Sabrina, Boneca Maldita. 

O filme conta a história da menina Vânya, que perdeu seus pais e agora ficou órfã e vive com seu tio e a esposa dele. Após presenciar a brincadeira de um amigo com o jogo de tabuleiro Charlie Charlie, ela tenta invocar a mãe, no entanto acaba atraindo um demônio chamado Bagiah, e ele acaba possuindo não somente ela mas quase toda a família. No final,  há uma grande revelação e uma surpreendente reviravolta, explicando o porquê aquele demônio está aterrorizando tanto essa família. 

A boneca Sabrina é uma boneca que vende muito na loja de brinquedos de seu tio, e em princípio é ela quem recebe a entidade demoníaca. Considero a aparencia dessa boneca até mais assustadora que a própria Annabelle. 

A história não é brilhante, e é clichê em muitos momentos. Sempre aquela casa mal assombrada e uma família aterrorizada por uma coisa oculta. 

No entanto, o ponto alto do filme principalmente para os fãs do gênero, são as cenas bizarras e de terror. Em alguns filmes de possessão que acompanhei, poucas vezes vi cenas tão fortes e violentas como nesta obra, especialmente que na maioria dos filmes a entidade costuma ficar em somente uma pessoa, e aqui acabou sendo um pouco diferente, ela possuía diversas personagens, exigindo dos atores em muitos momentos interpretação de duas personalidades diferentes, a personalidade possuída e não possuída. 

Estão ocorrendo críticas positivas e negativas por aí sobre esse filme, mas acho que o fã que já está acostumado com o tipo de história mas que curte assistir algumas cenas mais  "chocantes"  que o normal, vai gostar. 

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2018. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.