sexta-feira, 21 de Abril de 2017 08:12h Pollyanna Martins

Cesta básica registra alta de 5,9% em março

O tomate foi um dos responsáveis pela alta na cesta básica

A cesta básica teve um aumento de 5,9% em março em Divinópolis. De acordo com o Núcleo de Pesquisas Econômicas (NUPEC) da Faced, esta é a segunda maior elevação do ano, e um dos responsáveis pela majoração foi o tomate. A fruta teve um aumento de cerca de 37% em Minas Gerais e no Rio de Janeiro na última quinzena do mês, conforme dados do Cepea. Segundo o NUPEC, a explicação para tal acontecimento é o início do período de entressafra, uma vez que a safra de verão, caracterizada pelo período das águas, se encerrou e a colheita de inverno ainda não está em sua plenitude, assim tem-se uma menor oferta do produto no mercado.

Ainda segundo o NUPEC, a banana e a batata também influenciaram no aumento da cesta. De acordo com o núcleo, a banana subiu 15,86% e a batata 24,52%. Conforme o núcleo, as cotações da batata sofreram importantes altas nas principais regiões produtoras de Minas Gerais, Santa Catarina e Paraná, devido ao aumento das chuvas nas áreas produtoras e uma forte variabilidade na qualidade da batata em março. “Os produtos com menor qualidade sofrem desvalorização enquanto as batatas, com melhor especificidade, têm maior procura e melhor cotação”, explica.

Já o preço da banana, registrou fortes elevações no varejo na última semana de março, e isso fez com que os preços da banana caturra no mercado divinopolitano subissem em média 15,86%. Segundo o NUPEC, como a oferta em março apresentava-se bastante restrita e a demanda pela fruta começou a se elevar após as férias escolares, os preços subiram. No total, o custo da cesta saltou de R$ 332,04 (em fevereiro) para R$ 337,11. A cesta básica é composta por carne de segunda, leite tipo C, arroz, feijão, farinha de trigo, batata inglesa, tomate, pão francês, café em pó, banana caturra, açúcar cristal, óleo de soja e manteiga.

A pesquisa feita pelo núcleo mostra que a carne, o pão francês, o café em pó e o óleo de soja registraram queda no preço. Ambos tiveram uma retração de -0,56%, -1,50%, -3,53%, -4,70%, respectivamente. Os outros alimentos registraram alta entre 1,55% e 36,82%. O leite tipo C teve aumento de 1,55%, o feijão de 15,51%, o arroz de 4,05%, a farinha de trigo de 4,23%, a batata inglesa de 24,52%, o tomate de 36,82%, a banana caturra de 15,86%, o açúcar cristal de 1,94% e a manteiga de 4,57%.

SALÁRIO MÍNIMO

De acordo com o NUPEC, a cesta básica fechou 2016 custando R$ 336,22 e abriu 2017 com um leve aumento, no valor de R$ 338,50. Em fevereiro, a cesta teve uma queda significativa e passou a custar R$ 318,49. Conforme o histórico do núcleo, no último mês de 2016, a cesta básica consumia 38,21% do salário mínimo do divinopolitano. Em janeiro, o percentual caiu 36,13% e, em fevereiro, foi para 33,99%. Segundo o NUPEC, em março, a cesta básica representava 35,98% do salário mínimo dos divinopolitanos.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.