sexta-feira, 6 de Julho de 2018 16:46h Atualizado em 6 de Julho de 2018 às 17:23h. Carlos Henrique Monteiro

Brasil tenta, mas sucumbe diante da Bélgica

Apesar de muitos gols perdidos na segunda etapa, Brasil não supera europeus

CARLOS HENRIQUE MONTEIRO.

O hexa está adiado para 2022. A seleção de Tite tentou, teve chance clara logo no começo do jogo, aos 7 minutos do primeiro tempo com Thiago Silva, que poderia ter mudado a história. 

Mas como o mundo da bola é uma roda gigante, em 2002, graças a erros de arbitragem, o Brasil passou. Hoje, os deuses do futebol estavam do lado dos belgas. 

Em cobrança de escanteio, nos mesmos moldes que o Thiago Silva perdeu, Chadi cobrou, Kompany desviou, a bola bateu no ombro de Fernandinho, e foi para o gol. Bélgica 1x0. 

Aos 30, a Béligca consolidou seu domínio na primeira etapa, com arrancada de Lukaku, e bola pra De Bryuine jogar no canto. Bélgica 2x0. 

Coutinho ainda tentou aos 36 minutos do segundo tempo, para defesa de Courtiois. 

De Bruyine quase marcou o terceiro aos 40, Alisson fez milagre. 

O segundo tempo começou, e as mudanças eram necessárias. Tite colocou Firmino, no lugar de William. Em principio não funcionou. Em seguida, Douglas Costa entrou, e saiu G.Jesus. Foi quando a seleção começou a crescer e a criar algumas oportunidades, sob o comando de Douglas Costa. 

Aos 17, aos 25, e aos 26, Douglas Costa, teve 3 chances de marcar, e em todas, Courtois defendeu. Na primeira, Paulinho não aproveitou o rebote. 

Aos 30, Coutinho, que estava sumido no jogo, cruzou, e Renato Augusto,  entrou como um foguete, e de cabeça descontou. O jogador havia substituído Paulinho, e conseguiu fazer a função de elemento surpresa, que é caraterística de Paullinho. 

Aos 32, com Firmino, aos 34 com Renato Augusto, e aos 38, com Coutinho após passe de Nerymar, não conseguíram aproveitar as chances para empatar. 

O jogo terminou, e a Bélgica merecidamente venceu a partida e se classificou. 

RESUMO DO JOGO. 

Não foi um desastre como em 2014, mas o Brasil foi até onde dava pra ir. A seleção de Tite tinha chances sim de ganhar a Copa, com os jogadores que tem, mas a Copa não foi dos sonhos. Neymar poderia ter produzido muito mais, fazendo somente um bom jogo, contra o México. Coutinho sem dúvida foi o melhor brasileiro da Copa, e fica a sensação que Douglas Costa era o titular que ficou no banco durante toda a Copa, apesar que se lesionou durante os jogos. Nas partidas contra Costa Rica, e Bélgica, foi clara a vida que ele deu a Seleção, e a mudança de patamar do futebol da seleção quando ele estava em campo. A diferença dele para Willam é gritante, e no próximo ciclo de eliminatórias e Copa América, a presença dele no time é fundamental. 

Não houve vexame, mas uma derrota para um país que nunca foi campeão do mundo, mostra que o Brasil hoje, está bem distante de ser o grande dominador do futebol mundial. 

 

 

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2018. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.