sexta-feira, 21 de Abril de 2017 07:58h Carlos Henrique

Classificado, Mano explica mudanças táticas

Com muitas dificuldades e emoção, o Cruzeiro confirmou sua classificação para as oitavas de final da Copa do Brasil. Perdeu para o São Paulo por 2 a 1, mas como havia ganhado a ida pro 2 a 0, no Morumbi, semana passada, ficou com a vaga. Mano Menezes reconheceu a superioridade do adversário no começo da partida, mas conta o que fez para equilibrar as ações e fazer com que o Cruzeiro saísse de campo classificado.

“No primeiro tempo sim. O São Paulo fez grande jogo nos primeiros 30 a 35 minutos. Não conseguimos marcar e encaixar a marcação. Corremos muito, mas faltava um posicionamento diferente. No fim do primeiro tempo, nós trouxemos o Rafinha para dentro e ele encaixou a marcação no Cícero. No segundo tempo, nos posicionamentos melhor. O São Paulo, mesmo com a bola, não conseguia chegar da mesma forma que no primeiro tempo. Eles tiveram méritos, a gente corrigiu, mas o jogo é de 180 minutos. No ano passado fomos eliminados pelo Grêmio perdendo na ida por 2 a 0, e fazendo bom jogo na volta. Dessa vez foi o contrário. Fomos maduros e sofremos segundo gol em impedimento. Mas é do jogo. Se tivesse que acontecer derrota, melhor que fosse derrota com classificação. Foi o que a gente fez”.

OS GOLS DE CRUZEIRO 1 X 2 SÃO PAULO PELA QUARTA FASE DA COPA DO BRASIL

A experiência de jogadores como Rafael Sobis, Thiago Neves e Henrique foi fundamental para o resultado. Mano Menezes valorizou também o papel de Fábio e Dedé, que mesmo sem entrar em campo, contribuíram para a classificação.

“Eu acredito que temos bom número de jogadores no elenco que passaram por situação como essa e sabem bem o caminho das pedras. Temos dois atletas no banco com história vencedora, que são Dedé e Fábio. Eles contribuíram muito, mesmo não estando em campo. Nós só vamos conquistar alguma coisa quando tivermos esse tipo de comportamento e grandeza profissional. Conseguimos dar um passo além”.

FIM DA INVENCIBILIDADE

A derrota para o São Paulo foi a primeira de 2017. Depois de 22 jogos, com 17 vitórias e cinco empates, o Cruzeiro perdeu a invencibilidade. Para Mano Menezes, não haveria hora melhor para isso, já que o rótulo de invicto poderia se tornar um fardo.

“Não é bom perder, mas se tiver que perder, que seja de 2 a 1, com um resultado de um gol de diferença e conseguindo a classificação. E diminui a coisa que passa a se tornar um fardo. Não é normal uma equipe passar tanto tempo sem perder e não somos imbatíveis a ponto de não ter merecido perder essas partidas que não perdemos”.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.