quinta-feira, 12 de Outubro de 2017 08:14h Luciano Eurides

O esporte como ferramenta para um mundo melhor

Em uma data tão festiva, é necessário refletir sobre nossas crianças, a atenção a elas e a necessidade de no presente se construir um futuro. Fato provado é que o esporte é uma ferramenta para se levar a construção física, social e às vezes até econômica. Entre as experiências, vamos ver como está Ruan Coimbra depois de atuar nas categorias de base do Flamengo do Mendes Mourão. Ele chama a atenção para que os atletas de hoje não esqueçam os estudos.

Uma criança precisa de espaço, brincar, correr, cair, chorar e tantas outras atividades na qual se formará o corpo. Aprender a lidar, respeitar e ter ele saudável, as atividades físicas podem ser intensificadas com o crescer, mas existe a necessidade de a criança conhecer a atividade esportiva e gostar. As atividades coletivas, ver os limites e regras, saber a diferença do meu, nosso e dele. Esse aprendizado constrói pessoas de caráter e amigos, na grande maioria, para o resto da vida. Muitas atividades físicas são baratas, embora algumas ainda tenham um investimento financeiro, não se compara aos preços dos tratamentos clínicos, em um raciocínio, é mais em conta a escolinha de futebol que o plano de saúde, embora ambos tenham a mesma importância.

Para ilustrar sobre as crianças que jogaram futebol na cidade, encontramos algumas fotos interessantes e de pessoas que viveram uma infância junto ao esporte e hoje estão na nossa cidade, construindo um lugar melhor a cada dia, sendo pessoas conhecedoras do convívio social, cada um na sua profissão, à sua maneira, mas unidos pelo esporte.

Ruan Coimbra tem hoje 24 anos, iniciou na escolinha do Flamengo com nove anos de idade e chegou a jogar futebol profissionalmente, no momento, está trabalhando com vendas, no ramo de moda, com a RC Store, especialmente online, por meio do Instagram. Segundo o jogador, o futebol foi uma das melhores coisas da vida dele. “Foi onde aprendi a ter caráter, aprendi a ter respeito e ganhei muitos amigos que até hoje tenho contato. Me arrependo por ter largado os estudos para seguir carreira, porque é uma coisa que nunca podemos deixar de lado, o futebol pode dar certo, como também pode dar errado, então largar os estudos jamais. Mas graças a Deus consegui me formar no ensino médio e pretendo, quem sabe, cursar Educação Física e atuar na área de esporte. O futebol me formou na pessoa que sou hoje e agradeço muito a Deus, ao meu pai, minha família e todas as pessoas que me incentivaram e me ajudaram nessa caminhada, infelizmente não alcancei o que eu realmente almejava, mas agradeço por todos os momentos felizes, pelos amigos, pelos momentos de dificuldade, que me fizeram crescer e amadurecer, e por todas as sensações e emoções que passei no futebol”, disse.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.