quarta-feira, 19 de Abril de 2017 09:01h Jaeci Carvalho /Estado de Minas

Um olho no Mineirão e outro em Assunção

Sinceramente, considero você (Rogério Ceni) um cara inteligente, mas suas entrevistas têm sido de uma arrogância terrível

Cruzeiro x São Paulo, no Gigante da Pampulha, às 19h30. Libertad x Atlético, em Assunção, às 21h45. Uma noite especial para o futebol mineiro, como foi a quinta-feira passada. O técnico do São Paulo, Rogério Ceni, disse que o resultado normal no jogo de ida seria 0 a 0, e que o time mineiro se aproveitou de duas bolas paradas. Ora, meu caro Ceni, bola parada faz parte do jogo. Aliás, vocês técnicos têm a mania de treinar esse tipo de situação, pedindo que os cinegrafistas não filmem tais jogadas. Se fosse para o seu lado teria sido um resultado justo, mas, como foi para o time azul, não vale. Sinceramente, considero você um cara inteligente, mas suas entrevistas têm sido de uma arrogância terrível. Humildade para quem está apenas engatinhando na carreira de técnico é um predicado importante. Sei que como goleiro, em 20 anos no tricolor paulista, você era o dono da bola e do time. Porém, na nova carreira, a torcida o derruba do dia para a noite e os péssimos resultados na semana passada poderão comprometer seu planejamento. Acho você um cara correto, de caráter ímpar e muito qualificado, mas admitir erros nas derrotas o tornará um grande treinador.

O Cruzeiro fez uma partida brilhante, que classifiquei de estupenda, tamanha a firmeza, solidez e competência do time azul. Só espero que Mano Menezes e seus comandados esqueçam a vantagem de poder perder até por um gol de diferença. O ideal é fazer logo um gol, pois, aí, o tricolor terá que fazer quatro, e acho improvável que isso ocorra. O resultado mais normal será outra grande vitória do Cruzeiro, desde que entenda que a vantagem deve ser usada lá pelos 35min do segundo tempo. Não gosto de times que entram para se defender, pois a história conta que, na maioria das vezes, acabam derrotados. É sabido que o São Paulo precisa da vitória, de forma desesperada, para acalmar sua torcida, que anda cobrando com veemência um futebol melhor.

Tenho gostado muito do Cruzeiro nos grandes jogos. Foi muito bem nos clássicos contra o Atlético e também na partida contra o São Paulo, no Morumbi. O Mineirão deverá estar lotado, pois o torcedor, que não é bobo, guarda seu suado dinheiro para os grandes jogos. Espero ver um Cruzeiro decidido, impondo seu ritmo e seu potencial. A qualidade dos jogadores do time azul é inquestionável, e, neste momento, bem superior aos são-paulinos. Sei que cada partida é diferente da outra. Admito que o São Paulo cresceu nas mãos de Ceni, mas não a ponto de tomar a vaga do Cruzeiro. Que o Mineirão esteja bonito, em paz e com uma torcida motivada e confiante numa grande vitória. E que a classificação venha com belo futebol e competência. Já disse que os times treinados por Mano Menezes são econômicos em gols, mas quem sabe esta noite não muda a postura e goleia?

Paraguai
Em Assunção, o Atlético vai em busca dos três pontos diante do Libertad, na Copa Libertadores. O futebol apresentado pelo alvinegro é preocupante e tem deixado a torcida apreensiva. Não adianta golear equipes de quinta linha do nosso futebol e jogar mal contra equipes também de nível inferior na competição sul-americana. Pelo que vi até aqui, o Atlético não confirma minha expectativa de classificação tranquila e possível disputa de taças. O que tenho visto é um time desorganizado, sem criatividade, dependendo única e exclusivamente da grande fase do artilheiro Fred. Ganhar do Libertad, jogando bom futebol, é o mínimo que esperamos para que o Atlético volte a BH dependendo somente de mais uma vitória para se garantir na próxima fase da competição, na pior das hipóteses, como décimo segundo colocado. Mas, como terá o próprio Libertad, em casa, e o Sport Boys, poderá até chegar aos 16 pontos, o que praticamente o garantiria como líder geral. O problema é que o futebol apresentado até aqui não credencia o Galo a esse papel. Espero que Roger Machado quebre a cabeça, escolha um esquema de jogo mais competente e faça a maioria dos jogadores que têm nome e currículo jogar o que não estão jogando. Os armadores não criam absolutamente nada. Cazares e Otero estão fazendo a torcida perder a paciência. Já sugeri recuar Robinho e deixá-lo armar o jogo. Garanto que as oportunidades serão criadas com maior frequência. Porém, como os técnicos se sentem “deuses”, acima do bem e do mal, não terão humildade para admitir isso. É preocupante o futebol medíocre apresentado pelo Galo na Libertadores e nos dois clássicos contra o Cruzeiro. Se não mudar da água para o vinho, nada feito. Será um ano de fracassos e decepções.

Ato nobre
O ato do zagueiro Rodrigo Caio, do São Paulo, dizendo ao árbitro para anular o cartão amarelo dado a Jô, pois o atacante corintiano não tocara no goleiro são-paulino e sim o zagueiro do tricolor, nos mostra que o Brasil ainda tem jeito. Um gesto nobre, de um garoto que tem caráter e que não quer levar vantagem, como a maioria. Que os companheiros de profissão copiem Rodrigo Caio e que aquele gesto sirva de exemplo para uma sociedade que adora levar vantagem, custe o que custar. Parabéns, garoto. Você mostrou que caráter e berço a gente traz de casa.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.