sábado, 12 de Agosto de 2017 10:56h Mariana Gonçalves

Diocese afasta padre por dívidas financeiras

Uma notícia pegou os fiéis de surpresa nessa semana, principalmente, os que têm grande empatia com a pessoa de Pe. Bento Mateus Borges. Em nota direcionada à imprensa, a Diocese de Divinópolis, por meio do Bispo Dom José Carlos de Souza Campos, anunciou o afastamento do Pe. Bento.

Conforme nota, a Diocese destacou que “diante das irregularidades que envolvem a pessoa e o nome de Pe. Bento, o Bispo Diocesano ouviu o Conselho Presbiteral Diocesano e tem a declarar o seguinte: O comportamento do referido sacerdote, que age e fala em nome e em benefício próprio, não tem nenhuma aprovação de nossa parte; A necessidade de estabelecer penalidades medicinais para estes comportamentos nos levou a retirar dele o “uso de ordens” por tempo indeterminado e a determinar sua interdição”.

Ainda em nota, Dom José afirmou que ele continuará recebendo as côngruas (remuneração) que todo clérigo tem direito a receber. Além disso, ele tem lugar de estadia, alimentação e cuidados, oferecidos pela Diocese. A atitude tomada pela Diocese é explicada com base na alegação de que o padre já havia sido advertido outras vezes por este comportamento, mas continuou agindo da mesma forma. “Não há nenhuma postura exagerada ou estranha da parte da Diocese nas medidas tomadas, pois o padre foi advertido inúmeras vezes sobre seu modo de agir”, complementou o Bispo.

Sendo assim, ficou também definido que Pe. Bento Mateus são poderá celebrar a Eucaristia só privadamente; tendo a suspensão para o exercício de quaisquer outros atos ministeriais (Batismo, Confissão, Unção dos Enfermos, Matrimônio e outros); e tem obrigação de residir no apartamento da Mitra Diocesana, no Centro Diocesano de Pastoral, onde terá a assistência devida.

REDES SOCIAIS

Diante da repercussão do assunto, Pe. Bento se pronunciou em sua rede social – deixando o seguinte esclarecimento. “Com relação à penalidade que recebi, estou cumprindo por obediência ao meu Bispo desde o dia 1° de Junho deste ano. Posso lhe garantir que não fiz nada que pudesse ofender meu Sacerdócio ou mesmo minha Igreja”.

O sacerdote falou ainda que a penalidade se refere apenas à dívida assumida com terceiro, relacionada a aluguéis de sua irmã e necessidades financeiras. “Por isto, tive que pegar dinheiro emprestado e fui denunciado. Estejam certos de que estou acertando com cada pessoa que me emprestou e me ajudou no momento que precisei”, pontuou o padre.

Por fim, ele agradeceu aos fiéis e pediu orações para o momento que enfrenta. “Gostaria muito de gravar um vídeo, mas este coração velho e enfraquecido não conseguiria expressar o que estou passando. Sou Sacerdote por vocação e minha vida é e sempre será o Sacerdócio! Aqueles que me conhecem sabem da minha espiritualidade, sabem do meu serviço prestado à Igreja durante 43 anos de vida sacerdotal. Acreditem, o remédio está sendo amargo e forte demais para um simples padre que não tem nada mais do que o seu Sacerdócio e o serviço a seus irmãos para viver. Peço as orações de cada um de vocês!”.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.