CRÍTICA: Histórias assustadoras para contar no escuro, é uma boa surpresa e um terror criativo

Suspense roteirizado por Guilherme Del Toro inova na criação de novas criaturas e elementos diferentes para causar medo no espectador

CARLOS HENRIQUE MONTEIRO. 

Histórias assustadoras para contar no escuro pode parecer um filme de terror absurdamente assustador, e o nome inudz isso. E é realmente um filme de terror, mas está muito longe de causar pânico, e deixar as pessoas sem sono pelo resto da noite. 

É uma trama com um grupo de adolescentes, algo que vimos recentemente em Stranger Things, e It 1 (2017), que encontram uma casa mal assombrada, e um livro, que desperta criaturas sobrenaturais. 

Fugindo do lugar comum, o filme mistura vários elementos de terror, como o Slasher (assassino que persegue vítima ou um grupo de vítimas. como em Sexta Feira 13 e Halloween), que vemos no arco do espantalho e da criatura do quarto vermelho. Também vemos algo sobrenatural, como o responsável pela libertação das criaturas e criação das histórias. As criaturas também são o ponto alto da trama. 

Em muitas obras, essas criaturas são mostradas em histórias curtas e separadas. Mas nesse filme, Toro e o diretor André Overdal resolveram juntar todas elas em uma trama amarrada dentro de um universo onde todas elas façam sentido. E o resultado foi bem satisfatório. 

Por se tratar de adolescentes, as atuações não são dignas de Oscar. Mas convencem e geram empatia no público que aceita embarcar nesse universo de fantasia e fantasmagórico. 

Zoe Margarreti Colletti lidera o elenco com uma boa personagem Stella, que consegue demonstrar equilibrio junto de seus amigos Chuck (Austin Zajur) e Auggie (Gabriel Hush). Ela comete erros que são decisivos dentro do roteiro, e consegue criar coragem quando necessário para dar ponto final na história. 

A censura do filme é 14 anos, então os efeitos de gore e violência, além das mortes, são menos impactantes, o que perde um pouco na experiência de ver um filme do gênero, mas pode por outro lado ser positivo para certos públicos, que podem se sentir mais a vontade para apreciar o restante do suspense da obra. 

Fui esperando ver um filme nota 6. E confesso que me agradou mais do que esperava. Dou nota 8. 

O Filme está em cartaz no Shopping Pátio Divinópolis, DE SEGUNDA A SEXTA, na sala 5, as 19h dublado 21h10 legendado

SÁBADOS, DOMINGOS E FERIADOS, ALÉM DOS HORÁRIOS DE 19h e 21h10, tem sessão extra as 14h30 e 16h30, ambos dublado.

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.