Artigos

CADÊ O DINHEIRO QUE ESTAVA AQUI?

Por Izabela Martins

Você já se deparou olhando para os pagamentos da sua empresa sem saber como iria cumprir com seus compromissos e se perguntou, cadê o dinheiro que era para estar aqui? Você vendeu e sabe que recebeu, mas, ao olhar para o caixa…. cadê a grana?

Já parou para pensar quais são as causas deste problema? Será que necessariamente a causa está no setor financeiro ou é de outro setor que desaguou no financeiro?

Se isso já aconteceu com você, saiba que uma das explicações pode estar no excesso de produtos armazenados no seu estoque.

O estoque é algo muito importante em uma empresa e, graças a ele, ocorre o abastecimento das linhas de produção, evitando a sua parada; evita-se a perda de vendas por falta de mercadorias; gera economia de compra em função do volume; traz maior agilidade no atendimento ao cliente e/ou produção, desde que bem administrado. Por outro lado, quando mal administrado, consome caixa se estiver em excesso; consome caixa se estiver subdimensionado (perda de vendas); consome caixa se a mercadoria estragar.

Mas afinal, como faço para manter uma quantidade de mercadorias razoável, que atenda o meu cliente, sem ocupar meu armazém e sem comprometer meu capital de giro?

Antes de te responder a esta pergunta, precisamos entender que o excesso de estoque pode se originar pela falta de controle do que entra e do que sai da empresa, resultando em uma desorganização e consequentemente acumulando produtos que não tem rotatividade de vendas. E se você sofre disso, já deve saber que estoque que não gira é prejuízo na certa.

Agora que compreendemos algumas causas e as consequências desse excesso, vamos nos ater a alguns pontos estratégicos para que possamos sanar esse gargalo:

  1. Planejamento de compras: devemos analisar a classificação dos itens a serem comprados através da curva abc de vendas e estoque e assim, direcionarmos as compras para os itens que mais giram em um determinado período. Alguns itens possuem uma taxa alta de giro e sua falta ocasiona insatisfação dos clientes, outros, por terem valores altos, se tiverem em excesso no estoque, geram custos. Além disso, não se esqueça de analisar se seu nicho possui sazonalidade de vendas, pois, alguns itens podem ser vendidos de forma mais efetiva somente em determinadas épocas do ano;
  2. Controle de entrada e saída de mercadorias (movimentação): registre suas movimentações de entradas e saídas para que haja um controle efetivo do quanto está comprando e de quais produtos efetivamente estão girando em decorrência das vendas. É de extrema importância que se tenha um processo bem definido e que seja de conhecimento de todos os envolvidos da área;
  3. Inventários: recomendo que você faça inventários periódicos para verificar se o estoque físico bate com o estoque do sistema. Esta ação não se trata somente para verificar o que está disponível, mas, também contribui para organização e identificação do que necessariamente precisa-se comprar;
  4. Integração entre os setores: faça com que sua equipe tenha contato frequente e entenda verdadeiramente qual sua entrega para o todo. Quando o setor de compras se comunica e interage com estoque e com o comercial, por exemplo, o orçamento será destinado aos itens que verdadeiramente giram e são necessários para atender a demanda planejada, sem gerar excesso ou desperdícios. Com isso, aproveita-se as oportunidades do mercado e consequentemente tem-se um aumento ou preservação da margem de lucro.
  5. Gestão por indicadores: defina quais os indicadores que melhor te auxilie na tomada de decisão e avalie o desempenho do seu processo. O giro de estoque é um exemplo de uma métrica que fará com que você avalie o tempo gasto para que aquele produto saia do seu estoque.

Por fim, a gestão estratégica do estoque pode garantir o sucesso da sua empresa e ser um diferencial competitivo no mercado pois, além de garantir que o produto certo esteja disponível para atender o cliente, permite a redução de custos com desperdícios, transformando produtos parados em capital de giro.

Por fim, lembre-se que nem sempre inúmeros galpões com excesso de mercadoria é sinônimo de prosperidade, mas sim, de “dinheiro” estocado. É… talvez essa seja uma boa analogia: comece a ver o seu estoque como pilhas de nota de R$ 100,00. Ao ver o seu estoque dessa forma, talvez você pare para dar mais atenção a ele.

Bom fim de semana a todos!

Izabela Martins é engenheira de produção e consultora de operações na MF Gestão de Negócios.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto:

Bloqueador de Anúncio Detectado

Nosso conteúdo é gratuito e o faturamento do nosso portal é proveniente de anúncios. Desabilite o seu bloqueador de anúncios para ter acesso ao conteúdo do Portal G37.