A luz no final do túnel...

      E agora chegamos na fase de acreditar e torcer que tudo vai dar certo, estamos cansados, mas não vencidos esta é a nossa realidade.

       Em tempos difíceis com certeza é também a fase que mais paramos para pensar e analisar e com certeza as lembranças fazem parte deste contexto.

      Nunca passamos por uma etapa tão pesada e inacreditável de ter nossa cidade toda fechada e ainda com toque de recolher, nunca imaginei de ver as praças gradeadas e fiscais juntamente com policiais te tirando o direito de ir e vir, loucura.

     Nunca pensamos que seríamos prisioneiros em nossas casas e que o simples ato de trabalhar seria tão fiscalizado.

     Mas é para um bem comum, a coisa está mais perto que imaginamos, enquanto estava só na Globo desligávamos a tv e fingíamos que a coisa iria acabar rápido, mas agora notamos que a peste está chegando perto. Cada dia ficamos sabendo de mais um caso, aqueles amigos que foram corajosos e viajaram, numa certeza que estavam preservados e não é que a peste estava indo junto com uma das colegas, que além do biquíni levou a peste, eu matava essa indecente kkkk.

      Aí você pira de saber que sua vizinha está com a peste e que foi internada, que a cuidadora da senhora velhinha da sua rua também está doente e assim a coisa cresce, e o que nos resta e prevenir, usar máscara, álcool em gel e evitar de sair.

     E aí você se pergunta como não sair e quem vai pagar suas contas? Quem vais ser o provedor de sua família, vejo a grande maioria de pessoas de seu relacionamento mandando todos ficarem em casa ai você pensa nas grandes casas em que vivem, sítios e as famosas casas na barragem, me perdoem mas a discrepância é enorme, prefiro não comentar.

      Torço e acredito que os bons momentos estão muito perto e que esta fase ficará na nossa lembrança, momentos marcantes que nos fizeram enxergar uma nova realidade.

      Que vontade de sair, sentar na praça do santuário tomar um sorvete, escutar o sino da igreja e lembrar que aquele espaço fez e faz parte da sua história e que dali a pouco a banda vai subir na concha acústica e vai tocar o hino da nossa terra e você orgulhoso vai canta-lo inteiro: Das terras do Oeste Cidade oficina, és tú Divinópolis....                            

© 2009-2021. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.