Acabou...

       E mais uma vez está quase acabando este martírio, não sabemos bem o por que, nem se vale a pena, mas somos obrigados a segui-lo. Quem acorda cedo, como eu, está levantando no escuro, com aquela sensação que dormiu pouco e aquela vontade de continuar na cama.

      Horário de verão, este é o nome do inimigo, criado pelo governo para economizar energia, dizem que se o trabalho acaba mais cedo, na lógica, todos vão para casa e assim encerra o gasto de energia, será?

      Bom mesmo era antigamente que marcávamos nosso tempo pelo apito da rede. Era uma coisa tão natural que ao amanhecer você esperava o apito para levantar, corria para chegar no colégio pelo segundo apito, sabia que era a hora do almoço, o apito dava fome.

      Também avisava que hora do retorno para o segundo turno da tarde, indo embora após o último apito.

      A cidade era menor, em qualquer lugar você escutava o poderoso apito.

      Tinha até aquele ditado: O SUJEITO É UM APITO DA REDE, SEMPRE PONTUAL.   

       Existia  também aquela meninas mais levadas que o povo dizia : MAIS CONHECIDA QUE O APITO DE REDE.

        Existiu uma época que alguns moradores, do bairro Esplanada, fizeram um abaixo assinado pedindo que desligassem o apito, não deu certo no segundo dia a cidade inteira reivindicou seu retorno.

       O apito já faz parte da nossa rotina, durante o dia nem lembramos dele, mas se não tocar pinta logo a falta.

       No próximo domingo dia 17 voltamos ao horário antigo, como muitos dizem: O horário de Deus.

        Aí pinta aquele alivio, poder dormir mais uma hora, o dia parece ficar enorme, delicia, que venha a vida normal.

        E nós continuamos aqui vendendo imóveis e realizando sonhos, TOK EMPREENDIMENTOS, Rua Cristal 120 Centro.                    

 

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.