As festas juninas.

          Quem nunca se fantasiou de caipira para dançar numa festa junina? Aquela coisa os meninos de camisa xadrez, calça com muito remendo, chapéu de palha, butina, lenço no pescoço e um belo bigode feito de lápis preto, que levava uma semana para sair, as meninas com lindos vestidos rodados feitos de chita com muitas fitas e rendas coloridas, meias coloridas, nos cabelos muitos cachos, fitas e chapéus todos enfeitados com muitos laçarotes, muito batom vermelho na boca e pintinhas nas bochechas, assim estávamos prontos para as festanças.

        As festas juninas não era uma coisa fácil de serem feitas mas era prazerosa, naquela época não existia nada pronto como hoje que é só ir numa loja especializada e comprar, era tudo confeccionado pela turma, bandeirinhas eram feitas e coladas nos barbantes, muitas flores de papel e arranjos eram cuidadosamente elaborados, muitos painéis com os santos das festas, São João, São Pedro e Santo Antônio. A quadrilha era um ponto a parte os ensaios começavam com quase um mês de antecedência, ali acontecia a escolha dos noivos, os casais da dança, o pai da noiva, o padre, o delegado e o mais importante o marcador da quadrilha que sempre vinha acompanhado de um sanfoneiro, a música sempre era primordial para que a festa fosse sucesso.

          Outro ponto alto da festa era as guloseimas, fantásticas como canjica, pé de moleque, pipoca, paçoca, milho verde, caldos, cocadas e muito mais, bebidas também não ficavam para trás como quentão, coquetéis e a marvada da pinga. 

          Quem nunca cantou uma linda musica junina que nos traz grandes recordações como as cantadas por Luiz Gonzaga :

 

              ¨Olha pro céu, meu amor

                Veja como ele está lindo

                 Olha pra aquele balão multicor

                 Como no céu vai sumindo...

       E a gente cantava, dançava e era feliz. Me lembro de uma festa em Ermida que ficou marcada. A festa estava linda muitas barraquinhas todas enfeitadas envolta da igreja, muita música e gente bonita, junto com a minha turma havia uns engenheiros de São Paulo que estavam aqui de passeio e resolveram conhecer a festa. Ao chegar um deles me disse que precisava de um engov pois queriam beber e não passar mal no outro dia, indiquei uma venda para que pudessem comprar, o lugar meio escuro típica vendinha de roça, mas tinha o remédio, pediram uma água e cada um tomou dois comprimidos e partimos para festa.

      A festa estava ótima e não demorou já estávamos dançando  na quadrilha mandando ver, mas os paulistas não demoraram começaram a procurar os banheiros, um atrás do outro e a suar frio e corre de um lado para outro, ai que matamos a charada ao pedir o engov  entregaram lacto purga que na época tinha uma embalagem parecida, kkk passaram a festa como reis sentados no trono.

      Continuo a procurar uma festa que mate minha saudade dos bons tempos juninos.

        E eu continuo aqui a vender o imóvel certo para você, TOK EMPREENDIMENTOS , Rua Cristal 120 , centro.                         

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.