Fechando um ciclo

                           

     Dizem que quando nasci, meu pai estava viajando e minha avó materna, Dona Zulmira, mandou chamar meu tio Amnys para tomar as providencias. Este pronto como sempre, já passou na casa da Dona Chiquita Parteira e chegando na casa da minha mãe ficou já na expectativa da minha chegada. Assim que nasci minha avó Zulmira veio logo comunicar ao meu tio que tudo tinha dado certo e que havia nascido um menino e que seria seu afilhado e que teria seu nome, assim nasceu nossa forte ligação.

      Desde muito pequeno tive neste tio uma grande referência, que me acompanhou pela vida toda, não só por ser seu afilhado e ter seu nome mas pela sua assistência e proteção.

      Nas mais antigas lembranças meu padrinho já faz parte, não só na minha vida mas de toda família.

       Uma pessoa marcante, filho mais velho, amoroso, muito bravo e exigente criou e ajudou todos os irmãos.

      Sempre que nos encontrava íamos logo pedindo sua benção que na mesma hora recebíamos a resposta: Deus te abençoe meu afilhado. Já era marca registrada dele sempre perguntar como tudo estava acontecendo e na sequencia o palpite de como achava que deveria ser.

       Guardo comigo os natais fantásticos que eu e meu primo Gilberto, seus afilhados, erámos chamados por ele para receber nosso presente de natal e saíamos na maior alegria com um bom dinheiro na mão.

      Adorava reuniões de família e sempre mostrou sua alegria contando grandes casos e cantando suas modas antigas.

     Foi para nossa Divinópolis um grande empreendedor, nas grandes empresas de sua época sempre existiu sua participação, mas a menina dos seus olhos foi a ACID na qual foi presidente e sempre acompanhou de perto todo seu desenvolvimento.

      Para cada um dos que conviveram com ele existe uma história, como ajudou aqueles que fizeram parte da sua vida a prosperarem, não tinha meio termo de falar as verdades, doa a quem doer deixava seu recado, quem tinha coragem e força para trabalhar ali encontrou um parceiro.

      Tenho grandes passagens de muito amor, de brigas, de risadas e de muita parceria, o mais importante era a grande admiração que guardo no meu coração.

       Uma das grandes lições que vi e aprendi com ele foi a maneira como tratou meus avós, meu avô libanês muito bravo e cheio de manias era tratado por meu tio com muito respeito mas sempre sabendo leva-lo, já minha avó Maria era louca por ele, passava em sua casa todos os dias, tinham a mesma sintonia e a mesma alegria, sabe aquela coisa de uma risada solta, pois é tenho a quem puxar esta alegria.

      Neste últimos anos tive a oportunidade de participar mais de perto de sua vida, ao passar para vê-lo sempre me apresentava um projeto para realizarmos juntos... uma cabeça milagrosamente lúcida e sonhadora.

     Ganhei de Deus o presente de ser o último, junto com minha prima Stela, a visita-lo no hospital e ali podemos rezar juntos e agradece-lo pelo tanto que fez por todos nós, acredito e tenho certeza que partiu tendo a sensação de dever cumprido, enfim fecha-se um ciclo.

     Ficamos aqui com as deliciosas lembranças pois o homem que deixa sua marca sólida com certeza nunca será esquecido...

     TOK EMPREENDIMENTOS. Rua Cristal 120 centro.           

       

 

   

© 2009-2021. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.