Nossa princesinha 108 anos

                  

       Das terras do Oeste, princesa altaneira, cidade oficina, de filhos leais. És tu Divinópolis, bem brasileira. Parcela fecunda de Minas Gerais...

       Parabéns minha querida Divinópolis, minha terra natal, minha Princesinha do Oeste.

       Adoro minha terrinha sou daqui mesmo, nasci ali na esquina de Independência com São Paulo uma esquina onde todos passavam e tudo acontecia.

     Amo contar para quem não conhece que minha terra foi planejada, por Antonio OLimpio de Morães , aqui os quarteirões tem o mesmo tamanho e as ruas são largas.

      É um delicioso lugar de se morar, a cidade cresceu mais ainda conhecemos a maioria das pessoas e suas histórias.

     Neste 1º de junho é o seu aniversário completa 108 anos bem vividos com grandes marcas e um enorme desenvolvimento.     Este ano a festa será mais reservada, em casa de máscara e com muito álcool em gel.

     Mas ficam as muitas lembranças de grandes comemorações.     Como era bom treinar na escola para o aniversário da nossa cidade, os ensaios começavam com um mês de antecedência cantávamos o hino todos os dias e no dia estávamos fininhos.

      Na manhã do dia 1º de junho acontecia o desfile cívico, com saída da praça da catedral seguindo até na rua Goiás, a rua totalmente tomada pela população, organizadas nos passeios com cordas de proteção aguardando o espetáculo. O desfile tinha a abertura com o tiro de guerra com sua marcha perfeita gritando frases de ordens, logo vinham os ex combatentes e toda a frota da polícia. Aí começavam as escolas, as estaduais com os alunos com uniformizados com bandeirinhas em punho, depois vinham as escolas municipais e as escolas particulares.

      Existiam as torcidas para as escolas preferidas, quem não se lembra da elegância da Dona Marta Eugênia apresentando o colégio Frei Orlando com sua poderosa fanfarra, logo após vinha as meninas do Instituto levando os garotos a loucura aí na sequência o colégio São José e São Geraldo e o Leão XIII.

      E o desfile continuava com os clubes com seus atletas, me lembro que nós nadadores, tendo á frente o sargento Vieira, desfilávamos de traje de banho só com as medalhas no peito e quase morríamos de frio kkk. Era muito aplaudido os cubes de serviços e as cidades irmãs, Claudio, Itapecerica, Itaúna que mandavam representantes para abrilhantar nosso desfile.

     E para encerrar entrava a tropa do Zé Capitão fazendo uma verdadeira algazarra com vários cavalos, burros, bois e tudo mais ligados ao rodeio. Ficando o momento que mais achávamos engraçado a turma do povão com charretes, bicicleta motos enfim valia tudo e muito mais. Sempre aparecia no meio do desfile os loucos conhecidos do povão e eram aplaudidos pela galera.

     Na esquina da 1º de junho com Rio de Janeiro ficava o palanque com as autoridades, prefeito, vereadores e autoridades.

    Acabando o desfile todo mundo subia para o rodeio onde a festa continuava...

    E assim ficamos aguardando um festão para o ano que vem ...TOK empreendimentos Rua Cristal 120 , centro

                

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.