COMO REAGIR AO CORONEL TADEU.

 

Darei sequência ao raciocínio do texto anterior. Ali comentei sobre como um deputado abriu mão de diversas possibilidades democráticas para refutar a charge de Carlos Latuff.

Recapitulando, o Deputado Coronel Tadeu avançou sobre a opinião de alguém, representada na charge numa exposição sobre a Consciência Negra na Câmara Federal. A charge trazia um homem negro, evidentemente pobre, morto no chão enquanto um policial se afasta com a arma de fogo ainda quente e o título “O genocídio da população negra”. Abaixo, uma afirmação: “Por sua vez, os negros são as principais vítimas da ação letal das polícias e o perfil predominante da população prisional do Brasil”

Agora entrando no mérito da charge, é evidente que o autor não pretendia atribuir todas as mortes de negros às forças de segurança pública. Porém, a imagem faz sentido à medida que a gente analisa a realidade dos fatos. Vamos a ela:

Mortos em operações policiais

Período

Brancos

Pretos /Pardos

2014 - 2016

33%

67%

2017 - 2018

24,6%

75,4%

Fonte: Fórum Brasileiro de Segurança Pública

 

Não é um caso de ideologia e nem de desrespeito ou rejeição à Polícia Militar. É a constatação de que estamos utilizando mal nossas forças de repressão ao crime. A causa talvez seja a cultura em vigor no país segundo a qual violência contra bandidos reduz as ocorrências. Mentira, como os dados e as melhores pesquisas demonstram.

É racista e mentiroso o argumento apresentado pelo também deputado Daniel Silveira: “É evidente que mais negros morrem porque há mais negros com arma, mais negros cometendo crime, mais negros confrontando a polícia”.

Afirmações feito essa não consideram que o fato de negros serem o alvo majoritário dos ataques fatais e constituírem grande parte da população carcerária se deve a questões históricas e sociais feito:

  • A maioria da população pobre é formada por negros;
  • O pobre e o preto têm uma chance muito maior de ser condenado do que o branco e o rico. Se alguém duvida, basta estudar os casos de Rafael Braga e do DJ Renan comparando com brancos ricos como Pimenta Neves.
  • Não há nenhuma justificativa científica ou psicológica para justificar um maior número de criminosos negros do que brancos. A razão é sociológica e política.

 

Vejamos os casos concretos. A menina Agatha Félix, assassinada por um tiro de um policial militar, estava armada, cometia crimes ou confrontava a polícia? E os meninos Cauê, Cauã, igualmente chacinados por armas oficiais? O músico Evaldo Rosa e o morador de rua massacrados por homens do Exército por acaso representavam algum perigo à sociedade?

A polícia brasileira já atirou e feriu ou matou gente carregando furadeira, bolsa, esquadria metálica, macaco hidráulico sob a justificativa de “tensão”, “pavor”, “estresse” e “confusão”. Não vi nenhuma  história que um homem branco em Ipanema carregando um pedestal de microfone tenha sido confundido com bandido portando fuzil. Ocorre que toda a confusão envolvia gente pobre e preta. Ninguém matou playboy na zona sul confundindo com bandido, mas favelado....  

Já é passado o tempo de reações gentis, silenciosas e diplomáticas a manifestações feito a do Coronel Tadeu. Já é hora de a sociedade reagir ferozmente contra o assalto de defensores de ditaduras e supremacistas raciais. É hora de indignação total.

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.