PRIMEIRA PARTE: É TARDE DEMAIS PRA CANCELAR O CAPITALISMO.

Partindo do título, afirmo: ninguém vai substituir, num prazo razoável, o capitalismo por outro sistema econômico. Uma série de razões conduziram-me a tal conclusão. Pra começo de conversa, as alternativas até então apresentadas não se mostraram boas. O comunismo é contrário à natureza humana de sobrevivência e desenvolvimento e o socialismo foi incapaz de se comprovar economicamente viável. Além disso ambas as propostas foram muito mal aplicadas, como se vê em diversos exemplos nos quais o conceitos foram apoderados por governantes mal intencionados.

Entendo que o capitalismo não pareça ser o melhor exemplo de sistema para uma raça que conta com as relações sociais entre suas principais características. Por meio dele a vida humana ganhou muito em qualidade, possibilitou coisas como a internet e os aviões e, por incrível que pareça reduziu a desigualdade social (no feudalismo era pior, né?).

Por outro lado, o sistema dominante deixou bilhões de pessoas para trás. O planeta tem 2,7 bilhões de criaturas humanas que vivem com no máximo dois dólares por dia – ou R$ 11,00 pela cotação de hoje. Traduzindo os números em palavras: um em cada três seres humanos dispõem de onze reais por dia para sobreviver, nisso incluídos alimentação, moradia, remédios, educação, lazer...

Outro dado impactante a demonstrar quão radical é o capitalismo está na concentração de renda. Oitenta e cinco pessoas – 85 cidadãos, destaquemos – acumulam em suas mãos metade da riqueza do mundo. É isso mesmo, menos de uma centena de pessoas é dona de 50% de tudo que a humanidade inteira possui.

Bom, então a questão posta é o que fazer. Devemos aceitar o capitalismo como sistema imbatível, apesar de tanta pobreza? É necessário garantir o futuro do ser humano sobre a terra, o que inclui certificar-se de que teremos água, alimento, clima equilibrado, ar respirável, segurança.

(continua ...)

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.