SOBRE O TRABALHO INFANTIL.

Pra mim é inacreditável que, finalizando a segunda década do Século XXI, a gente esteja discutindo se trabalho infantil é certo ou errado. E a coroação da estupidez de tal debate reside no fato de que grande parte das pessoas defenda um dos lados apenas para ser favorável ao presidente da República, a quem apoiam.

Tal comportamento é, no mínimo, uma besteira. A gente pode votar e até idolatrar alguém, mas deveria discordar quando ele pratica despropósito tão vasto quanto afirmar que criança deve trabalhar.

Há um senso comum – comum a quem tem preguiça de pensar e pesquisar – segundo o qual criança tem mais é que trabalhar mesmo, do contrário vai cheirar maconha e fumar cocaína. Um radialista de Divinópolis, por exemplo, vive pregando que o ECA impede menores de 18 anos de aprender um ofício (mentira! Basta ler a lei).

Vamos dividir essa conversa em dois blocos. No primeiro, apresento o que dizem os técnicos. A seguir, trago exemplos.

O que dizem os especialistas a respeito do trabalho infantil? Segue:

  • Famílias muito pobres se beneficiam do trabalho infantil, mas tal efeito vale no curto prazo. No logo prazo, o efeito é drástico. Países que utilizam trabalho infantil são os mais pobres do mundo.
  • O trabalho infantil aumenta a taxa de fertilidade, uma vez que, mais filhos, mais renda.
  • Há menos investimento em tecnologia nos países que permitem trabalho infantil, já que a mão de obra é barata (ou gratuita)
  • Crianças que trabalham não estudam. Quem não estuda não se qualifica. A falta de qualificação profissional é o maior problema da baixa produtividade do trabalhador nos países pobres.
  • Não é preciso ser um gênio pra imaginar que o trabalho infantil intensifica a desigualdade social, uma vez que o menino que corta cana não pode competir com aquele que estuda no Colégio Santo Antônio de manhã e faz inglês à tarde.

Os exemplos:

É TRABALHO INFANTIL

NÃO É TRABALHO INFANTIL

Cortar cana, fazer cerca, cuidar de gado a troco de comida

Ajudar no armazém do papai depois da aula

Engraxar sapato

Arrumar a cama, varrer o quintal, lavar a louça

Catar latinha na rua

Vender chocolate na escola pra pagar cursinho

Trabalhar em fábricas

Ajudar na loja da família nas férias ou feriados

Fazer faxina na casa dos outros pra ajudar em casa

Atuar em novelas, comerciais de TV fora do horário escolar

Faltar à aula pra vender bala no sinal

Ajudar o pai a lavar o carro

 

 

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.