A felicidade é agora.

Ômar Souki

 

Às vezes me perco diante da telinha do celular, e ao me dar conta disso, busco logo uma leitura para poder aproveitar melhor do meu tempo. Foi assim que comecei a folhear o livro A lei da felicidade de Henry Cloud (Editora Planeta). Ele faz reflexões importantes ligando as descobertas da psicologia positiva com os textos bíblicos. Algo observado com frequência é que, em geral, esperamos que alguma coisa aconteça para que possamos ser feliz. Por exemplo: “serei feliz depois que me formar”, “vou aproveitar melhor da vida depois que ganhar mais”, “quando encontrar minha outra metade, serei então feliz”, etc.   

Mas, as pesquisas mostram que os acontecimentos externos são responsáveis por apenas 10 por cento de nossa felicidade. Outros 50 por cento dependem de fatores genéticos e da personalidade. E, os restantes 40 por cento relacionam-se com aquilo que fazemos da nossa vida: nossas atitudes e comportamentos.

Há também estudos demostrando que as pessoas que conseguem entrar em fluxo—isto é, ficar mais tempo no presente—conseguem melhores resultados em casa e no trabalho. Isso já tinha sido ensinado por Jesus quando disse: “Busquem em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e as demais coisas lhes serão acrescentadas. Portanto, não se preocupe com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã terá as suas preocupações. Basta a cada dia o seu cuidado” (Mateus 6, 33-34). “Tenham cuidado com qualquer tipo de ganância. Porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a sua vida não depende de seus bens” (Lucas 12, 15).

Enquanto buscarmos a felicidade onde ela não se encontra, isto é—em acontecimentos externos—estamos desperdiçando nossos recursos tanto mentais e espirituais, quanto emocionais e intelectuais. Por outro lado, o foco no aqui, agora, pode ser um bálsamo para a nossa vida. Há certos pensamentos que insistem em nos distrair, isto é, tirar a nossa atenção do hoje. Foi aquela empresa que eu criei, mas que não deslanchou ou aquele prejuízo financeiro devido a uma decisão errada, foi aquele grande amigo que se distanciou ou aquela pessoa amada que faleceu, etc.  Há também as preocupações com o futuro: “e se eu não conseguir pagar as contas no fim do mês”, “e se eu pegar uma doença grave e não puder trabalhar”, “e se meu companheiro me largar”, etc.

Tanto a ciência, quanto as Escrituras nos mostram que a felicidade não se encontra assim tão longe. Se a procurarmos no aqui agora, será encontrada em pequenas coisas como a satisfação de um trabalho bem feito, a leitura de um bom livro, o desfrutar do café da manhã junto de pessoas queridas, o abraço da criança, o passeio na praça com nosso animal de estimação, etc.

O agora é o presente que recebemos de Deus, por isso, deve ser saboreado como uma oportunidade. Se, em vez de aproveitarmos o agora, nos distrairmos com pensamentos do passado ou do futuro, corremos o sério risco de repetir o passado. Possibilidades positivas são criadas em um presente criativo, livre das preocupações com que fizemos do passado ou do que faremos no futuro.

 

© 2009-2021. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.