Otimismo nos negócios.

 

 

Aos 12 anos ganhei do meu pai uma enciclopédia que se chamava O tesouro da juventude. Capa azul com o nome dourado na lombada, cada um dos 18 volumes continha um capítulo intitulado “Homens e mulheres célebres”. Sai do meu pequeno mundo da Divinópolis de 1961 e passei a conviver com Thomas Edison, Henry Ford, Santos Dumont, Albert Einstein, Oswaldo Cruz e várias outras pessoas que contribuíram para que o mundo fosse melhor. Surgiram então em minha mente as seguinte perguntas: “Será que eles já nasceram gênios? Ou será que se tornaram gênios devido ao esforço? Será que poderei ser igual a eles?”. Jamais revelei esses questionamentos para ninguém, pois receava que me considerassem excessivamente ambicioso.

Depois de alguns anos lecionando marketing no curso de pós-graduação na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), fui contemplado com uma bolsa para realizar uma pesquisa de pós-doutorado na Universidade de Denver nos Estados Unidos. Foi quando retomei aquelas questões e resolvi pesquisar os fatores da liderança e genialidade empresarial. No Brasil estudei a trajetória de Salim Mattar (Localiza), Rolim Amaro (TAM) e Elizabeth Pimenta (Água de Cheiro); e nos Estados Unidos: Bill Gates (Microsoft), Walt Disney (Disney Corporation) e Ted Turner (CNN).

Constatei que essas pessoas eram incrivelmente (até exageradamente) otimistas. Como dizia meu pai: “Davam passos maiores do que as pernas”. Arriscavam com força! Disney—que fracassou várias vezes—costumava dizer: “No fim, vai dar tudo certo!”. Qual eram as bases para essa confiança desmensurada de que tudo daria certo? Resumi em três pilares: paixão, fluxo e habilidade de administrar relacionamentos.

01. Paixão. No começo da Localiza, Salim e seu sócio, Antônio Cláudio revessavam no trabalho para manter a empresa aberta 24 horas por dia, 7 dias por semana—feriados, dias santos, carnaval, natal e fim de ano. Bill Gates e seu colega Paul Allen passaram várias noites em claro até conseguirem montar um programa para o primeiro computador: o Altair. Rolim Amaro conseguiu tirar o brevê com 10 horas de voo. Ted Turner dormia em sua primeira estação de televisão.

02. Fluxo. Essa paixão consumidora pelo que se faz conduz a um estado especial do cérebro chamado de fluxo. É uma situação na qual se produz muito com um mínimo de esforço. A entrega à tarefa em questão é total e não se vê o tempo passar. A atenção ao detalhe é consumidora. Elizabeth Pimenta, quando produziu os primeiros perfumes, colocava pequenos ramos da erva original nos frascos, e os embalava em saquinhos de feltro. Walt Disney demorou dois anos para produzir Branca de Neve tal era a sua obsessão por produzir uma obra perfeita. O filme foi chamado de “a loucura de Disney”.  Manteve ocupados 750 desenhistas que consumiram 800 quilômetros de papel. Lançado em 1937 sua bilheteria foi a maior de todos os tempos, até 1939, ultrapassada por “O vento levou”.  

03.Habilidade de administrar relacionamentos. Lideranças empresariais se destacam porque tomam a iniciativa. Não esperam acontecer. Fazem acontecer. Têm um incrível senso de missão. Seus esforços são direcionados por um objetivo final, que não se relaciona diretamente com ganhar mais, mas sim, com servir mais e melhor. Buscam inovar em quaisquer que sejam as suas áreas de atuação. Surpreendem seu público alvo. Sabem se comunicar com o mercado, pesquisando seus desejos, expectativas e necessidades. Organizam bem o seu tempo. E, devido à paixão pelo que fazem, encontram a energia necessária para fazer mais e melhor. São pessoas que pensam, sentem, falam e agem em uma só direção, mantendo congruência em seus relacionamentos. São pacientes e aceitam as pessoas como elas são e não como gostariam que fossem.

Aquelas “inocentes” perguntas da minha infância encontram, então, resposta. Pessoas de destaque não nasceram gênios, mas conseguem conquistar seus objetivos porque são apaixonadas pelo que fazem. Essa paixão avassaladora produz nelas o estado de fluxo, onde a ação flui e a pessoa não se cansa até conseguir o resultado desejado. Será que um dia serei uma delas? Ainda não sei, mas vale a pena continuar tentando...  

 
 

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.