ALERTA PARA CONSCIENTIZAÇÃO E COMBATE AO CÂNCER DE COLO UTERINO.

Além de contar com o dia internacional da mulher, o mês de março é responsável por acolher um importante movimento de conscientização do público feminino. Conhecido como “Março Lilás”, este período do ano traz uma reflexão sobre a necessidade de discutir sobre o câncer de colo de útero.

Conscientizar as mulheres sobre a importância de fazer o exame de prevenção ao câncer de colo uterino, mais conhecido como Papanicolau, é o objetivo da campanha Março Lilás mês alusivo ao combate a esse tipo de doença. 

O exame de Papanicolau, ou colpocitologia oncológica, faz a coleta das células da região do colo uterino para identificar infecções vaginais ou sexualmente transmissíveis e, principalmente, alguma lesão precursora de câncer de colo uterino, que é o terceiro tumor mais frequente na população feminina, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca).

O câncer do colo do útero é raro em mulheres até 30 anos e o pico de sua incidência se dá na faixa etária de 45 a 50 anos. A mortalidade aumenta progressivamente a partir da quarta década de vida, segundo informações do Inca.

A prevenção primária do câncer do colo do útero está relacionada à diminuição do risco de contágio pelo papilomavírus humano (HPV). A transmissão da infecção pelo HPV ocorre por via sexual.

Tanto a incidência como a mortalidade por câncer do colo do útero podem ser reduzidas com programas organizados de rastreamento e detecção precoce da doença.

O método principal e mais amplamente utilizado para rastreamento do câncer do colo do útero é o teste de Papanicolaou (exame citopatológico do colo do útero).

A experiência de alguns países desenvolvidos mostra que a incidência do câncer do colo do útero foi reduzida em torno de 80% onde o rastreamento citológico foi implantado com qualidade, cobertura, tratamento e seguimento das mulheres.

 

 

 

Fonte: INCA- Instituto Nacional do Câncer

raquelhelenaadv@gmail.com

 

© 2009-2021. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.