A economia do Brasil no enfrentamento a COVID-19 e o enfrentamento pelos empresários.

As empresas brasileiras estão enfrentando uma das piores crises que já houve neste país. Mas é uma crise passageira.

 

Segundo o economista chefe do Itaú Unibanco, Mário Mesquita, em reportagem da Folha de São Paulo, “a crise será grave, mas haverá recuperação rápida, e o banco espera um crescimento grande, já em 2021.”

 

Assim, temos um cenário de crise, porém, com duração limitada. As empresas devem começar a se preparar para o pós-crise. Para muitos, deve ser difícil pensar em dois meses para a frente, se mal se consegue pensar no hoje ou amanha. Mas é nessa hora que se tem que ser cauteloso e precavido.

 

Existem ferramentas diversas para que as empresas possam sair da crise. A negociação com os credores é fundamental, e será, com certeza, adotada, haja vista que todos estão na mesma situação. Em casos mais complicados, resta o recurso à Recuperação Judicial e/ou a extrajudicial. São instrumentos legais, para que as empresas possam ‘respirar’, e voltar à ativa com força toda.

 

Outro grande problema são os tributos. Agora é a hora de fazer o seu planejamento tributário, utilizando todos os mecanismos que o governo disponibilizou.

 

Nesta terça feira, está em votação no Senado, a medida provisória número 899/2019, que poderá permitir a negociação de débitos tributários, agora já se prevendo a entrada de empresas do simples, quando da conversão em lei.

 

Outra estratégia que está sendo utilizada é o aproveitamento de créditos tributários, para compensação de tributos.

Outra notícia interessante foi que o Governo Federal expediu a Portaria conjunta nº 555, de 23 de março de 2020, prorrogando o prazo de validade das Certidões Negativas de Débitos relativos a Créditos tributários federais e à Dívida Ativa da União (CND) e Certidões Positivas com Efeito de Negativas de Débitos relativos a Créditos Tributários Federais e à Dívida Ativa da União.

 

Essas certidões serão importantes para as empresas conseguirem créditos em bancos oficiais, a uma taxa de juros mais condizente.

 

Todas estas medidas, se tomadas com antecedência, farão com que os efeitos da crise perdurem por um curto espaço de tempo, voltando a atividade normal em pouco tempo.

 

Em tempos de crise, se faz necessário planejamentos, mormente quando a crise não era esperada e pega totalmente de surpresa toda a população, não dando tempo aos empresários nem de pensar e ou se preparar para tal, o que gera um colapso na economia em geral.

 

Portanto, procure auxílio de pessoas que podem te ajudar nesse momento crítico, começando pelo profissional Jurídico e Contábil.

 

Wuodson dos Santos Pereira: OAB/MG 169.009 - (37) 98401-8187

Luiz Carlos de Araújo Filho: OAB/MG 57.731 - (37) 98802-5056.

 

Advogados no Escritório, Borges, Gomes e Pereira - Assessoria e Consultoria Jurídica.

 

 

 

 

 

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.