Saiba quais são as ferramentas mais usadas no mercado de carpintaria no Brasil.

21 NOV 2020

A carpintaria é frequentemente reconhecida como um dos trabalhos mais tradicionais de todo o mundo e faz parte da lista de profissões que teve a demanda beneficiada pelas condições da pandemia. Por isso, muitos brasileiros estão apostando neste segmento para enfrentar a crise de maneira autônoma.

A tendência é que a criação de empregos na área também aumente, já que o setor de construção está se recuperando aos poucos e impulsionando a retomada econômica em Divinópolis. Se você está cogitando a possibilidade de trabalhar no ramo, veja quais são as ferramentas essenciais para todo carpinteiro no Brasil:

Esquadro e trena: o trabalho na carpintaria exige muita precisão, por isso, não podem faltar as ferramentas que permitem tirar medidas e realizar os serviços de acordo com o planejamento prévio. Entender a matemática envolvida nas angulações também ajuda muito.

Plaina: é essencial que as peças produzidas na carpintaria tenham a superfície perfeitamente plana. Por isso, a plaina está na lista de ferramentas que não pode faltar para nenhum carpinteiro. Saber usá-la corretamente pode ser o diferencial para o trabalho bem feito.

Rebitadeira: a principal função da rebitadeira é fixar diferentes peças de madeira através dos rebites. O bom uso da ferramenta poderá deixar o trabalho mais consistente.

Serra e serrote: provavelmente, é a ferramenta mais importante de todo o trabalho do carpinteiro. Se você souber exatamente qual serra utilizar em cada tipo de madeira e o tamanho certo para cada situação, estará um passo à frente na busca por emprego no ramo.

Lixadeira: esta ferramenta é o que define a qualidade final das peças produzidas, já que é uma das maiores responsáveis pelo acabamento. Com ela, você remove as farpas que ficaram e pode até dar uma cor mais agradável às peças.

Furadeira: entre as que estão nesta lista, é a ferramenta mais comum no dia-a-dia das pessoas. Mas se engana quem pensa que a utilização da furadeira na carpintaria é fácil. O conhecimento e a experiência de saber fazer os furos nos locais precisos pode ser o diferencial em um teste para uma vaga de emprego.

Nível: antes de realizar qualquer procedimento com as peças de madeira, é preciso verificar se elas estão adequadamente niveladas. Qualquer erro nesta etapa, causado pelo não uso do nível, pode afetar a qualidade do trabalho.

Formões: para ser um bom carpinteiro, é preciso ter um jogo de formões completo e saber o momento certo de utilizar cada um deles. Eles são fundamentais para a realização de pequenos ajustes nas peças, como os cortes que exigem precisão. Nestes casos, um formão é muito mais propício do que o serrote.

 

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.