Câmara Municipal de Carmo do Cajuru mantém veto e revisão salarial dos servidores municipais é confirmada para agosto

Em reunião na sexta-feira, os vereadores de Carmo do Cajuru mantiveram o veto do prefeito Edson Vilela à emenda ao Projeto de Lei 41, que concedeu a revisão salarial para os servidores municipais.
 
A Câmara Municipal de Carmo do Cajuru reuniu-se em sessão extraordinária na última sexta-feira (6) para apreciar o veto do prefeito Edson Vilela à emenda apresentada ao Projeto de Lei 41/2019, que trata da revisão anual dos salários dos servidores municipais. O Projeto de Lei 41/2019, apresentado à Câmara pelo Executivo, foi o resultado da negociação mediada pelo Sindicato dos Trabalhadores Municipais  de Divinópolis e Região Centro-Oeste (Sintram), os servidores e o Executivo

O impasse salarial entre a categoria e o governo do município, que a princípio havia decidido não conceder a revisão, foi o motivo de uma greve dos servidores no dia 13 de junho. Durante a manifestação, o prefeito decidiu abrir as negociações e propôs a revisão salarial de 3,86%, que representa o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), medido pelo IBGE, acumulado no ano passado. De acordo com a proposta do prefeito, a revisão será concedida a partir da folha salarial de agosto. A categoria aceitou a proposta e o projeto foi enviado à Câmara, tendo sido apresentada a emenda que modificou o texto da proposta, retroagindo a revisão para janeiro, que é a data base da categoria. O projeto foi aprovado com a modificação e enviado ao Executivo, que vetou parcialmente a proposta, suprimindo a emenda do texto original.

 

Na sexta-feira, os vereadores mantiveram o veto do prefeito à emenda por seis votos a cinco. Com a decisão, a revisão salarial dos servidores de Carmo do Cajuru ficou mantida conforme o texto original, sendo a partir de agosto.

 

Votaram a favor da manutenção do veto, os vereadores Adriano Nogueira (PSB), Edésio Avelar (PSDB), Geraldo Luiz Barbosa (PDT), Sebastião de Faria Gomes (PDT), Wilson Flávio de Oliveira (PPS) e Zelita Pereira (DEM). Pela derrubada do veto, que garantiria a reposição salarial para os servidores a partir de janeiro, votaram os vereadores Anderson Duarte (PT), Anjo dos Santos (DEM), Marcelo Leonardo (PV), Ricardo da Fonseca (PPS) e Rodrigo Salles (PSB).

 

PARALISAÇÃO

 

A revisão salarial dos servidores de Carmo do Cajuru foi conseguida após uma dura batalha travada entre a categoria, o Sintram e o Executivo. A princípio, o prefeito Edson Vilela havia decidido que a revisão não seria concedida esse ano, porém, no dia 13 de junho, sob a liderança do Sindicato, os servidores municipais da cidade iniciaram uma paralisação que poderia se prolongar se não houvesse um acordo.

 

A pressão do sindicato e a união dos servidores, que paralisaram praticamente todos os setores da Prefeitura,  fizeram com que o prefeito Edson Vilela reabrisse o diálogo e cumprisse com a legislação, concedendo a revisão salarial. Além da revisão, o prefeito também concedeu um reajuste de 23,53% ao vale alimentação, que é pago em pecúnia, com depósito feito na folha de pagamento, porém sem caráter indenizatório.

 

Além da revisão de 3,86% para os servidores do quadro geral, o prefeito Edson Vilela concedeu também esse ano reajuste no salário dos agentes comunitários de saúde, que foi elevado a R$ 1.250,00, equivalente ao piso nacional da categoria. Para o magistério, a revisão concedida pelo prefeito de Carmo do Cajuru foi de 4,17%.

 

 

 

Fonte - Sintram

 

 

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.