Cruzeiro pode terminar o ano com pior media de gols entre atacantes

Marcelo Moreno, esperança de gols, somou 3 gols em 25 jogos. Mauricio, que foi pro Inter, ainda lidera a artilharia

28 NOV 2020

Depois de bom jogo na vitória de terça-feira sobre a Chapecoense (1 a 0), em Santa Catarina, o Cruzeiro voltou a apresentar falhas individuais na defesa e problemas na construção ofensiva diante do Confiança, nessa sexta-feira, no Mineirão, pela 24ª rodada da Série B. O time acertou sete das 17 finalizações, porém só fez um gol na derrota por 2 a 1. E quem balançou a rede foi o lateral-direito Raúl Cáceres, de cabeça, enquanto os atacantes voltaram a passar em branco, apesar das várias chances no segundo tempo.

A falta de um artilheiro nada mais é que o reflexo de uma equipe que somou apenas 49 gols em 40 partidas na temporada (média de 1,22) e não conseguiu fazer valer o status de favorito ao acesso nas análises preliminares da Série B. Esse objetivo, aliás, ficou mais distante com o tropeço em Belo Horizonte. Em 15º lugar, com 28 pontos, a Raposa está a 12 do Cuiabá (4º). Restam 14 rodadas para o fim da competição.

Ao destrinchar os 49 gols do Cruzeiro no ano, atesta-se que Maurício, envolvido em troca com o Internacional por William Pottker no início de novembro, ainda lidera o ranking, com cinco tentos em 32 jogos. Em seguida vem Airton, com quatro em 19 jogos. Nessa sexta, o ponta-direita desperdiçou boa chance na etapa inicial, quando o Confiança vencia por 1 a 0. Ao invadir a grande área, ele preferiu tentar a finalização em vez de servir a um colega: Pottker e Rafael Sobis acompanhavam o lance.

Cinco atletas estão empatados com três gols. Talvez a maior decepção seja Marcelo Moreno, contratado em fevereiro com a expectativa de ser o grande nome do ataque e de recuperar a condição de maior artilheiro estrangeiro do clube. O curioso é que o boliviano também contabilizou três tentos por sua seleção nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022, mas em três partidas. Pela Raposa, atingiu esse número em 25 jogos. Os outros são Manoel (14 jogos), Arthur Caíke (16 jogos), Thiago (23 jogos) e Régis (25 jogos).

Ainda que algum integrante do elenco celeste desponte nas estatísticas individuais na reta final da Série B, dificilmente vai superar os números registrados no século 21. De 2001 para cá, o artilheiro com menos gols foi Arrascaeta, em 2016 (14). Já Fred estabeleceu o recorde, com 40 tentos em 2005 - 13 no Mineiro, 14 na Copa do Brasil, 10 no Brasileiro e 3 em amistosos. O ex-camisa 10 Alex também brilhou ao anotar 39 em 2003 - 1 em amistoso, 9 no Mineiro, 6 na Copa do Brasil e 23 no Brasileiro. Os demais jogadores alcançaram entre 15 e 28 gols (veja na galeria de fotos).

FONTE; SUPERESPORTES

© 2009-2021. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.