terça-feira, 17 de Maio de 2016 11:48h Agência Minas

Acervo de artes visuais da Fundação Clóvis Salgado vai circular pelos municípios mineiros pela primeira vez

Termo de Cooperação Cultural assinado entre FCS e Fundação Municipal de Cultura de Congonhas amplia diálogo entre capital e interior

Patrimônio Cultural da Humanidade, a histórica cidade de Congonhas, na Região Central do estado, é o primeiro município a receber o acervo de Artes Visuais da Fundação Clóvis Salgado.

Em parceria inédita com a Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo de Congonhas, a FCS vai realizar a itinerância da exposição “Recorte: Acervo da Fundação Clóvis Salgado” para o Museu de Congonhas, inaugurado em dezembro de 2015.

 

 

 

O Termo de Cooperação Cultural para ‘Itinerância de Artes Visuais’, que firmou a parceria, foi assinado nessa segunda-feira (16/5), no Palácio das Artes, pelo presidente da FCS, Augusto Nunes-Filho; pelo prefeito de Congonhas, José de Freitas Cordeiro (Zé Linho); e pelo presidente da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo de Congonhas, Sérgio Rodrigo Reis. Integrantes da equipe técnica cultural de Congonhas também participaram da solenidade.

A proposta dessa iniciativa inédita visa ampliar a interlocução cultural com os territórios mineiros, além de garantir que diferentes municípios tenham acesso às várias atividades culturais realizadas pela FCS em Belo Horizonte. O ponto de partida são as exposições artísticas, como explicou o presidente da FCS, Augusto Nunes-Filho.

 

 

 

“Estamos levando produções de notórios artistas mineiros para o berço da produção artística de Aleijadinho, um dos grandes mestres da arte em Minas Gerais, senão o maior de todos”, diz Nunes-Filho.

O presidente também destacou a importância dessa iniciativa para a Fundação Clóvis Salgado ao ressaltar que a instituição vai promover novas itinerâncias em outras cidades mineiras.

“Pretendemos que essa itinerância seja também uma via de mão dupla. Vamos entrar em contato com secretarias de Cultura, fundações culturais de vários locais do estado. Nós queremos levar nosso trabalho para fora do Palácio das Artes, mostrar o que a FCS tem realizado em Belo Horizonte e garantir que o interior também tenha acesso a essas produções”, afirma.

 

 

 

Obras de várias gerações

A exposição “Recorte: Acervo da Fundação Clóvis Salgado” reinaugurou a Galeria Mari’Stella Tristão, no Palácio das Artes, em março deste ano. A mostra reúne trabalhos de artistas mineiros de diferentes gerações.

Segundo o diretor de Relações Institucionais e chefe de Gabinete da FCS, Gilvan Rodrigues, levar a exposição “Recorte” para o interior do estado é uma demanda que vem sendo percebida já há algum tempo. A partir dessa primeira itinerância em Congonhas, a Fundação vai intensificar suas ações de circulação.

 

 

 

“Esse diagnóstico vem do nosso fazer cultural diário. Temos percebido a importância de ampliar o diálogo de uma Instituição da capital com os demais Municípios e reafirmar nossa política pública”, explica Rodrigues.

De acordo com o prefeito de Congonhas, Zé Linho, essa parceria é histórica e é uma vitória para a cidade. “É um prazer imenso receber a Fundação Clóvis Salgado no Museu de Congonhas, um espaço tão importante para a arte mineira”.

De acordo com o presidente da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo do município, Sérgio Rodrigo Reis, essa “abertura de portas por parte da FCS é muito importante. Nós estamos muito satisfeitos com essa iniciativa”.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.