terça-feira, 1 de Março de 2016 14:00h Agência Brasil

Museu do Meio Ambiente mostra ao público livro raro de 1565

Um livro raro publicado em 1565, com 900 ilustrações de plantas, animais e minerais, a maioria aquarelas, é um dos destaques da mostra Exposição Natureza Impressa em Livro,que será aberta nesta terça-feira (1º)

Um livro raro publicado em 1565, com 900 ilustrações de plantas, animais e minerais, a maioria aquarelas, é um dos destaques da mostra Exposição Natureza Impressa em Livro,que será aberta nesta terça-feira (1º) no Museu do Meio Ambiente, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. A obra, considerada referência para vários campos da ciência, como medicina, farmacologia e botânica, é uma tradução latina do livro grego Materia Medica, de Pedânio Dioscórides (40-90 dC), feita pelo médico e botânico do Renascimento, Pietro Andrea Mattioli (1501-1577).

“É dele que parte um conjunto de ciências e estudos, que vão dar conta de uma série de ações futuras que hoje a gente entende como medicina, como farmácia e botânica. Naquela época, as coisas eram todas misturadas”, disse o diretor do Museu do Meio Ambiente, José do Nascimento Júnior. Segundo ele, existem  pouquissimos exemplares deste livro no mundo e ele é tão importante que em Portugal foi formado um grupo específico de pesquisadores para estudar a obra.

 

 

 

Na Biblioteca Nacional do Rio Janeiro há um exemplar do mesmo livro, mas com edição diferente, que traz ilustrações em preto e branco, ao contrários da que será exposta, que tem aquarelas coloridas. O livro tem a mesma idade da cidade do Rio de Janeiro: 451 anos. Daí a abertura da mostra coincidir com o aniversário de fundação da capital fluminense.

A obra faz parte do acervo de livros raros da Biblioteca Barbosa Rodrigues, do Jardim Botânico do Rio, e reúne 900 ilustrações. O diretor do museu informou que, apesar da idade avançada, o livro está “super atual” e em bom estado de conservação. “As pessoas vão ter uma ideia do que é o livro, dos seus conteúdos e poderão ver como eram os processos farmacológicos, de destilação, ou seja, como se tirava substâncias das plantas para fazer os fármacos”, disse.

 

 

O livro original poderá ser visto pelo público em uma vitrine expositora. Além das páginas impressas, o público terá a oportunidade de conhecer a obra e suas ilustrações por meio de um vídeo exibido durante a exposição, que ficará aberta até meados de junho. Ao término da mostra, o exemplar voltará para o arquivo da biblioteca, que tem outras obras raras, entre elas os livros dos naturalistas Von Martius, Glaziou e Auguste Saint-Hilaire.

Nascimento Júnior avaliou que abrir ao público a oportunidade de ver obras raras a que, normalmente, o cidadão comum não tem acesso é positivo para que as pessoas entendam “que o que existe hoje de ciência, de construção científica, tem um histórico até chegar à ciência moderna, contemporânea”. Normalmente, livros como a tradução de Mattioli do Materia Medica só são disponibilizadas para pesquisadores.

 

 

 

O público poderá visitar também no Museu do Meio Ambiente, até o dia 13 de março, a exposição intitulada Mata Atlântica, Ciência e Arte, que traz cerca de 200 obras de ícones da ilustração científica e natural, como Jean-Baptiste Debret e Margaret Mee, e artistas contemporâneos que fazem o mesmo tipo de trabalho, como Malena Barretto e Paulo Ormindo que registraram a fauna e a flora da Mata Atlântica.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.