sexta-feira, 1 de Abril de 2016 12:58h Atualizado em 1 de Abril de 2016 às 13:02h. Secretária de Cultura de Minas Gerias

No Dia Internacional do Livro Infantil, conheça as cinco obras mais solicitadas na Biblioteca Pública

A lista de livros que fizeram parte da nossa infância é bastante extensa

Em uma mistura de reinos, florestas, príncipes encantados, amigos inesperados, magia, amor eterno, juízos de moral e valores sociais, aguardávamos ansiosamente pelo “e viveram felizes para sempre”. No dia 2 de abril, comemoramos o Dia Internacional do Livro Infantil, uma forma de destacar a importância dessas obras para a criatividade, novas descobertas e incentivo ao gosto pela leitura.

A escolha da data é em homenagem ao nascimento de Hans Christian Andersen, escritor dinamarquês considerado o primeiro a romancear fábulas direcionadas para crianças. Entre as obras dele se destacam O Patinho Feio, O Soldadinho de Chumbo, A Pequena Sereia e A Polegarzinha. No Brasil, comemoramos nacionalmente no dia 18 de abril, homenageando autores renomados, como Monteiro Lobato, Ziraldo e Ana Maria Machado.

 

 

 

“A literatura infantil será uma primeira forma de incentivo ao gosto pela leitura, que deve principalmente vir de casa. Os pais precisam estar atentos para essa questão, tornando-se um habito para toda a família. Através dela, a criança será mais entendida do mundo, além de escrever, falar e criar com mais facilidade”, explica Andresa Aredes Ferreira, bibliotecária.

 

 

 

A Biblioteca Pública Luiz de Bessa, localizada em Belo Horizonte, possui em seu acervo diversas obras infantis disponíveis para empréstimos. Conheça agora os cinco títulos mais solicitados do gênero:

 

A Turma da Mônica Jovem é uma nova versão dos personagens de Maurício de Souza, porém, no estilo mangá com mais ação e aventuras. Os integrantes agora são adolescentes e vivem todas as complexidades da fase. Além disso, algumas características marcantes deles também mudaram, como por exemplo o Cascão, que passa a tomar banho mais vezes, e o Cebolinha, que troca menos o “r” pelo “l”.

 

 

 

Violet, Klaus e Sunny são encantadores e inteligentes, mas ocupam o primeiro lugar na classificação das pessoas mais infelizes do mundo. De fato, a infelicidade segue os seus passos desde a primeira página, quando eles estão na praia e recebem uma trágica notícia. Esses ímãs que atraem desgraças terão de enfrentar, por exemplo, roupas que pinicam o corpo, um gosmento vilão dominado pela cobiça, um incêndio calamitoso e mingau frio no café da manhã. É por isso que, logo na quarta capa, Snicket avisa ao leitor: 'Não há nada que o impeça de fechar o livro imediatamente e sair para uma outra leitura sobre coisas felizes, se é isso que você prefere'.

 

 

 

Le Petit Prince, The Little Prince, El Principito, Der Kleine Prinz - em qualquer uma das mais de 150 línguas em que é publicado, causa encanto a história do piloto cujo avião cai no deserto do Saara, onde ele encontra um príncipe, "um pedacinho de gente inteiramente extraordinário" que o leva a uma jornada filosófica e poética através de planetas que encerram a solidão humana em personagens como o vaidoso, capaz de ouvir apenas elogios; o acendedor de lampiões, fiel ao regulamento; o bêbado, que bebia por ter vergonha de beber; o homem de negócios que possuía as estrelas contando-as e encontrando-as em ambição inútil e desenfreada; a serpente enigmática; a flor a qual amava acima de todos os planetas.

 

 

 

 

“Reinações de Narizinho”, um clássico da literatura infantil brasileira que continua atual como nunca, reúne histórias escritas por Monteiro Lobato em 1920. O livro narra as primeiras aventuras que acontecem no Sítio do Picapau Amarelo e apresenta Emília, a boneca de pano tagarela e sabida, Tia Nastácia, famosa por seus deliciosos bolinhos, Dona Benta, uma avó muito especial, e sua neta Lúcia, a menina do nariz arrebitado. Lúcia, mais conhecida como Narizinho, é quem transporta os leitores a incríveis viagens pelo mundo da fantasia. Tudo começa com uma inesperada visita da neta de Dona Benta ao Reino das Águas Claras e com a chegada de seu primo, Pedrinho, ao Sítio do Picapau Amarelo para mais uma temporada de férias. Depois do passeio pelo Reino das Águas Claras, as reinações de Narizinho ficam ainda melhores. As crianças se divertem fazendo o Visconde com um sabugo de milho e planejando o casamento de Emília com o leitão Rabicó.

 

 

 

Rick acalenta o sonho de viajar o mundo montado numa girafa; Paulinho diz que todas as borboletas da Terra formaram um tapete voador para levá-lo ao Sétimo Céu. Já no mundo dos adultos, Fernão Soropita perde o sorriso depois que manda fazer uma dentadura de ouro; a medrosa dona Irene tem a maior surpresa ao se ver de frente com um ladrão muito mais medroso que ela.

Nas 29 histórias reunidas neste livro, Carlos Drummond de Andrade nos convida a ver o mundo como ele vê: com olhos de criança, de poeta e de observador atento aos acontecimentos do dia a dia.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.