terça-feira, 3 de Maio de 2016 13:55h Atualizado em 3 de Maio de 2016 às 13:59h. Secretária de Cultura de Minas Gerias

SEC leva o samba de Dona Jandira a Portugal

Programa Música Minas viabiliza a primeira experiência internacional da cantora de 77 anos. Um repertório especial será apresentado no festival ExibMúsica, na cidade de Évora

“Leva meu samba!”. O pedido feito tantas vezes por Dona Jandira, 77 anos, ao interpretar um dos clássicos de Ataulfo Alves, é atendido pela Secretaria de Estado de Cultura. O Música Minas, programa de intercâmbio cultural, viabiliza a primeira apresentação em terras estrangeiras da cantora, depois de 11 anos de carreira artística. No próximo sábado (7/5), Dona Jandira fechará a programação do Festival ExibMúsica – Expo Ibeamericana na Praça do Giraldo, em Évora, Portugal.

A alagoana, que vive em Minas Gerais há 26 anos, promete para a apresentação na Europa mais do que as canções de Noel Rosa, Lupicínio Rodrigues, Cartola e Vinicius de Moraes. Dona Jandira vai homenagear Cesária Évora, a ‘embaixadora da morna’, estilo musical marcante por transmitir a melancolia das ilhas cabo-verdianas diante a luta pela independência nas décadas de 70 e 80. A intérprete africana começou a carreira depois dos 50 anos, como Dona Jandira, e faleceu em 2011.

 

 

 

“Agradeço o mundo pela confiança em meu trabalho. Jamais pensei em chegar no auge da minha vida, com essa idade, e ter a oportunidade ímpar de viajar e homenagear essa referência da música popular que é a nossa Cesária”, comemora a artesã e pedagoga, que começou a se apresentar profissionalmente como cantora aos 66 anos.

O violonista Eugênio de Castro irá acompanhar Dona Jandira e mostra sua expectativa com o repertório especial. “É impressionante a energia, criatividade, o estilo e o domínio de Dona Jandira no palco. Estamos ensaiando o clássico “Sodade”, de Cesária, no idioma criolo, e ela tira de letra. É um orgulho para a música regional de qualidade”, conta Castro.

 

 

 

Desta forma, o edital Música Minas cumpre seu papel de fomentar o intercâmbio musical junto aos artistas mineiros, conforme explicita a Superintendente de Interiorização e Ação Cultura, Manuella Machado. “É uma enorme satisfação saber que é por meio do Musica Minas que Dona Jandira pela primeira vez deixa o Brasil para mostrar seu talento e seu vigor. Depois de conquistar Minas é a vez de Dona Jandira conquistar Portugal”.

 

 

 

A MÚSICA DE RAIZ MINEIRA NO EXIBMÚSICA

A terceira edição do festival, que se autointitula  como a porta de entrada para Europa de toda a riqueza musical e cultural da Íbero-América, tem em sua programação atrações do Chile, Equador, Cuba, México e Venezuela, além do Brasil. Além das apresentações, os participantes poderão participar de conferências sobre uma indústria musical consciente e a circulação da música na América Latina.

Dona Jandira e o flautista Carlos Malta são os representantes brasileiros. Ela pretende ver e cantar um pouco de Minas na cidade portuguesa. “A emoção é enorme. Espero encontrar em Évora um pouco das nossas cidades históricas, como Ouro Preto e Sabará. Quero muito esbanjar os talentos dessa terra de Clever Bambu, Sérgio Moreira, Paulinho Pedra Azul e Chico Amaral. Se me derem tempo eu canto toda a música de Minas”, brinca a intérprete e compositora.

 

 

 

A TRAJETÓRIA DE DONA JANDIRA

Nascida em Maceió, Alagoas, em 1938, Dona Jandira iniciou seus estudos musicais ainda criança, graças à sua mãe, que era professora de piano e acordeom. Devido aos preconceitos da época, não recebeu incentivo para seguir a carreira musical.

Chegou em Itatiaia, distrito da cidade mineira de Ouro Branco, através de sua experiência como artesã. Sua carreira musical começou no final de 2004, quando necessitou de uma carteira profissional de músico, pelas atividades desenvolvidas com o coral infantil que criou no distrito.

Desde então, tem sido considerada uma grande revelação da música em Minas Gerais. Em 2008, lançou seu primeiro CD, com composições inéditas. Aprovada pelo Edital Minas 2010/2011 do Natura Musical, gravou seu DVD recebendo como convidados Lô Borges, Déa Trancoso, Renegado, Banda Graveola e o Lixo Polifônico, Luiz Melodia, entre outros.

 

 

 

MÚSICA MINAS

O segmento musical mineiro independente e autoral ganha incentivo, impulso e fôlego para disseminar sua vocação pelo Brasil e pelos cinco continentes. O Música Minas – Intercâmbio 2016 conta com estímulos que totalizam R$ 700 mil. As inscrições são correntes e valem para viagens programadas para até o dia 31 de dezembro deste ano.

A participação é permitida aos integrantes da cadeia criativa e produtiva da música, com residência permanente em Minas Gerais. Os inscritos podem apresentar trabalho próprio, inclusive quando em participação em evento de reconhecimento ao trabalho desenvolvido, como premiações e homenagens; realizar residência artística; participar de cursos ou atividades de capacitação na área da música.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.