quinta-feira, 14 de Janeiro de 2016 12:17h Secretária de Cultura de Minas Gerais

SEC recebe representantes do povo indígena Xakriabá

O encontro reafirma o compromisso do Governo de Minas Gerais em valorizar a cultura dos índios

A tradição indígena, essência da nossa raiz cultural primária, está no rol de prioridades das políticas públicas do Governo de Minas Gerais. O secretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo, e seu adjunto, João Miguel, receberam, na Cidade Administrativa, representantes da comunidade Xakriabá, na tarde de ontem (13/01). Estiveram no encontro, Hilário Xakriabá, secretário Municipal de Cultura de São João das Missões, Célia Xakriabá, coordenadora de Educação Escolar Indígena de Minas Gerais da Secretaria de Estado de Educação, e João Fiúza Xakriabá, responsável pelo campeonato indígena em São João das Missões. 

Angelo Oswaldo afirma que o encontro simboliza e estende o compromisso que a SEC tem com o reconhecimento da cultura dos índios. “As comunidades indígenas formam um segmento muito importante da sociedade mineira. São um patrimônio cultural de Minas Gerais e do Brasil e é fundamental que a Secretaria de Cultura, junto às políticas públicas do nosso Estado, tenha uma atenção especial para com as comunidades e as reivindicações que elas nos colocam. Os representantes da comunidade Xakriabá nos trazem questões e criamos programas conjuntos de parceria do Governo do Estado”.

Contemplados pelo Prêmio Indígena 2015, que distribui R$ 195 mil para povos aldeados em Minas Gerais, Hilário Xakriabá ressalta a imprescindibilidade do benefício para a comunidade. “O edital vem de encontro à necessidade do fomento numa hora oportuna. Vem numa etapa em que estamos resgatando as raízes, ocupando a extensão das terras indígenas e reavivando nossos festejos tradicionais”. O secretário de São João das Missões ainda acrescenta que é importante valorizar o índio local, que vive no Estado, como a SEC vem fazendo, já que temos povos indígenas espalhados pelo Brasil inteiro.

Célia Xakriabá complementa que o edital valoriza as festas indígenas, que são inerentes à tradição desses povos. “A premiação é importante para resistência da memória e da essência desse povo. Foi muito bom ver que várias comunidades indígenas foram contempladas no edital porque precisamos desse recurso financeiro para viabilizar nossas festas ritualísticas. Pro povo indígena tudo começa quando o ritual se inicia e tudo se encerra quando o ritual termina”.

 

Valorização da cultura indígena

O Inventário Cultural do Rio São Francisco, lançado no fim do ano pelo IEPHA-MG, traz várias características culturais dos Xakriabás que ocupam parte do entorno da bacia. Em 2016, eles comemoram 10 anos de retomada de terras para seus povos. Além disso, o objetivo é que os Xakriabás sejam tombados como patrimônio imaterial.

Luis Mundim, gerente de Patrimônio Imaterial do Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha MG), explica a importância do tombamento de uma cultura. “Esse título é importante para dar reconhecimento da expressão cultural mineira e, a partir daí, valorizar as comunidades indígenas e fazer com que as práticas ritualísticas se perpetuem”.

Para 2016, o edital deve ser fortalecido, como explica Angelo Oswaldo. “As políticas públicas atuam no intuito de manter tradições e rituais indígenas, com garantias de uma expressão livre, com aquilo que é essencialmente a cultura deles. Neste ano queremos repetir o edital, pois teve muito êxito, ampliando recursos para alcançar mais vertentes de ação, mantendo o desempenho cultural próprio dos índios aldeados em Minas”.

 

 

Prêmio Indígena

Em 2015, foram R$ 195 mil em recursos, distribuídos em prêmios de R$ 15 mil, para festas tradicionais indígenas, num processo desburocratizado e democrático. Os benefícios foram distribuídos levando em consideração os povos indígenas aldeados, localizados nas diferentes regiões de Minas.

 

Créditos: Asscom/SEC

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.