domingo, 2 de Outubro de 2016 16:47h Agência Minas Gerais

Secretaria de Cultura abre inscrições para residência musical em Belo Horizonte

Inscrições podem ser feitas a partir da próxima segunda-feira (3/10). Iniciativa vai oferecer atividades gratuitas sobre composição, pesquisa e regência

Depois de passar por cinco cidades mineiras, o projeto Territórios de Invenção – Residências Musicais, realizado pela Secretaria de Estado de Cultura (SEC) e Fundação de Educação Artística (FEA), por meio do edital Música Minas, chega a Belo Horizonte.

A cidade recebe a última residência, intitulada “O tripé composição, pesquisa e regência”, com o compositor Roberto Victorio. As atividades acontecem entre 31 de outubro e 11 de novembro, mas as inscrições devem ser feitas entre os dias 3 e 14 de outubro pelo site do projeto – clique aqui para acessar. Há 30 vagas disponíveis e todas as atividades são gratuitas.

Músicos, estudantes, pesquisadores e professores de música interessados ou que trabalham com a composição e que também se interessam por música contemporânea formam o público alvo da residência. Para se inscrever, o candidato deve ter a partir de 16 anos. O resultado com o nome dos candidatos selecionados será divulgado no dia 25 de outubro.

Mestre em composição e doutor em etnomusicologia, Roberto Victorio vai estruturar a residência em torno dos três pilares que envolvem o trabalho desenvolvido por ele: a composição, a etnomusicologia e a regência. Com longa experiência na etnomusicologia, desde 1999 o artista pesquisa a etnia bororo, do Mato Grosso, e chegou a viver com os membros desse grupo por três anos, para estudar a música ritual e desenvolver a mecânica da transposição da realidade ritual para o universo da música de concerto.

Durante a residência, o compositor irá promover workshops de composição e etnomusicologia, além de proporcionar a montagem de obras escritas durante o processo e regência dessas obras. Os encontros acontecerão diariamente na Fundação de Educação Artística (Rua Gonçalves Dias, 320, Belo Horizonte, MG), entre 14h e 18h.

A participação dos alunos e o resultado das residências já realizadas têm sido bastante positivos, conforme avalia a superintendente de Interiorização e Ação Cultural da SEC, Manuella Machado. “Estamos encantados com a qualidade dos profissionais e com o comprometimento e envolvimento dos residentes selecionados”, diz.

No dia 12 de novembro, será realizado um concerto, na Sala Sérgio Magnani, na FEA, para apresentação das obras trabalhadas na residência.

Além de Belo Horizonte, Territórios de Invenção passou por Diamantina, Pouso Alegre, Montes Claros, Uberlândia e Ouro Preto. O projeto, que começou em junho, será encerrado em novembro, com uma apresentação final que vai expressar todo o trabalho desenvolvido ao longo desses cinco meses.

Roberto Victorio

É bacharel em violão e regência, mestre em composição e doutor em etnomusicologia. Como pesquisador, tem o trabalho voltado para a música ritual da etnia bororo de Mato Grosso. Como compositor, tem mais de duas centenas de obras gravadas e interpretadas nos principais eventos no Brasil e no exterior, recebendo inúmeros prêmios.

É regente, diretor musical e instrumentista do Sextante, grupo de câmara que fundou em 1986, no Rio de Janeiro, e que, até hoje, em Mato Grosso, trabalha exclusivamente com a produção musical brasileira contemporânea, tendo realizado mais de uma centena de primeiras audições de obras brasileiras de concerto, muitas delas escritas originalmente para o grupo. Em 1999, o Sextante gravou o CD Grutas Permitidas ao vivo, no Rio de Janeiro e na Chapada dos Guimarães, como representante do Brasil na Tribuna Internacional da Unesco, em Paris.

Roberto Victorio é também professor de Composição, Etnomusicologia e Estética da Música na graduação e no mestrado em música na Universidade Federal de Mato Grosso e idealizador das Bienais de Música Brasileira Contemporânea de Mato Grosso.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.