terça-feira, 4 de Outubro de 2016 17:32h SEC

Secretaria de Cultura celebra vitória do audiovisual mineiro no Festival de Brasília

Títulos realizados por produtores de Minas Gerais foram destaque da 49ª edição do evento; Governo reafirma importância do PRODAM

A incontestável qualidade do cinema feito em Minas Gerais foi mais uma vez reconhecida. O destaque desta vez veio do público e júri do 49º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, um dos mais importantes eventos do gênero e o mais antigo do país. Entre seus principais vencedores, longas e curtas realizados por produtores mineiros.

 

A cerimônia rendeu aos mineiros 11 prêmios, sendo o principal deles dedicado ao filme “A cidade onde envelheço”, de Marília Rocha, escolhido na categoria de melhor filme, direção, ator coadjuvante (Wederson Neguinho) e atriz (dividido entre Elisabete Francisca e Francisca Manuel). A lista dos mineiros que levaram o Troféu Candango segue com melhor ator de longa-metragem (Rômulo Braga, em “Elon não acredita na morte”, de Ricardo Alves Júnior); melhor fotografia de curta-metragem (“Solon”, de Clarissa Campolina); melhor ator de curta-metragem (“Constelações”, de Maurílio Martins); prêmio especial do júri e de melhor atriz de curta-metragem para Lira Ribas (“Estado itinerante”, de Ana Carolina Soares); melhor montadora de longa-metragem (Clarissa Campolina, no filme cearense “O último trago”).

 

Alguns dos vencedores foram contemplados pelo edital Filme em Minas, da Secretaria de Estado de Cultura, como “A cidade onde envelheço”, de Marília Rocha, que ganhou o incentivo na categoria Produção de Longas Metragens. Estímulo semelhante viabilizou a realização de “Elon não acredita na morte”, de Ricardo Alves Júnior, atendido na mesma categoria.

 

O secretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo, comemora o desempenho dos mineiros no Festival de Brasília. Segundo ele, o programa para o setor lançado pelo governo do Estado (Programa de Desenvolvimento do Audiovisual Mineiro – PRODAM) parte exatamente da vitalidade da produção atual no sentido de alcançar uma estratégia articulada e coerente que consolide o processo de crescimento do audiovisual mineiro. “Estamos implantando uma política pública ampla e dinâmica, porque iniciativas dispersas não garantem a base necessária para a expansão em pleno curso”.

 

O secretário lembra das ações já anunciadas após o lançamento do PRODAM, que aconteceu em maio deste ano, como os editais chancelados pela Codemig e Ancine; a feira de negócios Minas Gerais Audiovisual Expo, realizada no final de maio na Serraria Souza Pinto; e o projeto chamado Cidade do Cinema, um protocolo de intenção entre Codemig e Puc Minas para revitalização e modernização da antiga edificação do Sistema Salesiano de Vídeocomunicação (SSV), em Belo Horizonte, que conta com 4 mil m².

 

Filme em Minas

O Filme em Minas é um edital publicado bienalmente sob a gestão da Diretoria de Audiovisual da Secretaria de Cultura. Seu objetivo é fomentar a produção de curtas e médias-metragens, distribuição e finalização, além de ações voltadas à publicação, preservação, memória e patrimônio audiovisual. O mecanismo integra o Programa de Desenvolvimento do Audiovisual Mineiro – PRODAM. 

 

Sua edição mais recente aconteceu em 2014, mas o pagamento não foi efetuado pelo governo anterior. Desta forma, a atual gestão providenciou o pagamento dos valores pendentes durante o ano de 2015. Nesta edição foram contemplados 34 projetos, igualmente bem premiados em mostras e festivais, como “Ela volta na quinta”, de André Novais; e “O Segredo dos Diamantes”, de Helvécio Ratton; além de projetos ainda em fase de produção.

 

Em momento de grave crise financeira, o Governo de Minas Gerais reconhece a importância do mecanismo de fomento ao setor e reitera sua continuidade. A Secretaria de Cultura trabalha de forma perseverante no intuito de viabilizar recursos para o próximo edital Filme em Minas, previsto para 2017. Ao longo de sua trajetória, o mecanismo já contemplou 208 projetos, com aporte de recursos no valor de R$ 28 milhões.

 

PRODAM

Lançado no final de maio pelo governador Fernando Pimentel e pelo secretário Angelo Oswaldo, o Programa de Desenvolvimento do Audiovisual Mineiro (Prodam) tem como objetivo viabilizar políticas públicas por meio de parcerias entre órgãos e entidades da administração pública direta e indireta de Minas Gerais, municípios e União, além de instituições privadas. A plataforma visa, especialmente, o incentivo e fomento ao setor audiovisual, que se apresenta como potencializador do desenvolvimento cultural, econômico e social. A coordenação fica a cargo de Gilvan Rodrigues, diretor de Relações Institucionais da Fundação Clóvis Salgado.

 

Para estimular todos os ângulos de ação do segmento, o Prodam unifica, no campo do audiovisual, além de instituições privadas, as secretarias de Estado de Cultura, de Educação e de Turismo. Entre as entidades da administração pública indireta, têm assento garantido na mesa de discussões as fundações de Amparo a Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), Clóvis Salgado e a TV Minas Cultural e Educativa - Rede Minas, as companhias Energética de Minas Gerais (Cemig) e de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), a Rádio Inconfidência, o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha) e a Imprensa Oficial de Minas Gerais.

Um dos eixos fundamentais do Governo Fernando Pimentel, a participação da sociedade é igualmente contemplada no PRODAM. Reuniões semanais acontecem, sempre às quintas-feiras, na sede da Fundação Clóvis Salgado (Avenida Afonso Pena, 1537, Centro, Belo Horizonte, Minas Gerais).

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.