terça-feira, 31 de Janeiro de 2017 08:39h Pollyanna Martins

AACO e Sincondiv são expulsos do Conselho Curador do Hospital São João de Deus

A Associação dos Advogados do Centro-Oeste de Minas (AACO) e o Sindicato dos Contabilistas de Divinópolis (Sincondiv) foram expulsos do Conselho Curador do Hospital São João de Deus (HSJD). O anúncio foi feito ontem (30), durante uma coletiva de imprensa. O presidente a AACO, Sérgio Martins, explicou que a informação da saída das entidades do Conselho Curador foi feita por meio de um e-mail, enviado pelo Frei Augusto Vieira Gonçalves, no dia 15 de dezembro de 2015. O presidente da associação disse que a notícia pegou tanto a AACO, quanto o Sincondiv de surpresa.


Conforme o advogado, o convite para participar do conselho foi feito em agosto do ano passado, pelo próprio Frei Augusto. O pedido foi oficializado em setembro, por meio de um documento. No convite formal, o Frei diz que “na sequência de anterior contato pessoal, vimos formalizar nosso convite para que a entidade à qual V. Exª. preside passe a colaborar com a Fundação Geraldo Corrêa/Hospital São João de Deus, assumindo a responsabilidade de indicar uma das personalidades que comporão o futuro Conselho Curador”.


Durante a coletiva, Sérgio Martins, ao lado do presidente do Sincondiv, Sérgio Dias Bebiano, entregou cópias dos documentos que provam o convite feito às duas entidades a participarem do Conselho Curador. Entre os documentos, está a relação das entidades convidadas e pessoas indicadas para conselheiros. As entidades convidadas são: Associação dos Amigos do Hospital São João de Deus (AAHSJD); Associação de Combate ao Câncer do Centro-Oeste de Minas (ACCCOM); Mitra Diocesana de Divinópolis; Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ); AACO; Sincondiv e a Federação das Associações dos Moradores de Bairros e Conselhos Comunitários Rurais de Divinópolis (FAMBACCORD). “Houve um convite por parte do Frei Augusto em agosto do ano passado, para que nós pudéssemos compor este conselho, e a AACO aceitou participar do conselho e chegamos a participar de duas reuniões”, afirma.


SAÍDA


Pouco mais de quatro meses após aceitarem o convite, as entidades foram surpreendidas por um e-mail do Frei Augusto, informando a saída do Conselho Curador do HSJD. No documento, o Frei diz que “esta é uma mensagem que eu não gostaria de escrever”. Em continuidade, o presidente do Conselho Curador pede “desculpa pelos incômodos ou decepção com esta alteração, que evitaríamos se tivéssemos consultado previamente o promotor [Sérgio Gildin]”. Para justificar a saída das entidades do Conselho Curador, o Frei explicou que, em conversa com o Promotor de Justiça Sérgio Gildin, responsável pelas Fundações, sobre a lista das entidades convidadas, recebeu algumas negativas.
Conforme Frei Augusto, o promotor insistiu na importância de escolher entidades com atividades relacionadas à saúde ou com muita representatividade social, ou com história longa. “Então, na nossa conversa, percebemos que não aprovaria o Sindicato dos Contabilistas no Conselho”. O mesmo e-mail foi enviado à AACO. “Nós fomos informados da nossa saída por telefone e pedimos para que o Frei formalizasse isso, de que realmente foi o promotor que solicitou a nossa exclusão”, informa o presidente da AACO. Após a confirmação por escrito, as entidades questionaram o promotor Sérgio Gildin e Frei Augusto sobre os motivos que levaram à exclusão das entidades do Conselho Curador.


RESPOSTAS


No dia 20 de dezembro, o Frei Augusto enviou um e-mail para as entidades alegando não se tratar de uma exclusão, uma vez que não houve inclusão do sindicato e da associação no Conselho Curador. Conforme Frei Augusto, houve um convite e as entidades começavam a se conhecer e a conhecer a Fundação Geraldo Corrêa. “Deixamos para o final a apresentação das entidades ao Promotor de Justiça das Fundações que, com todo o direito, fez suas observações dizendo que precisávamos priorizar entidades sólidas, com história, representatividade social, ou nexo com a saúde”.


O presidente da AACO rebate as alegações do Frei e diz que o momento do hospital é mais grave do que uma questão administrativa. Sérgio Martins elogia a atuação da superintendente geral do HSJD, Elis Regina Guimarães, e diz que se propôs a ajudar na administração da instituição. “O momento agora é administrativo, contábil e jurídico. Para poder resolver este problema grave, que já tem mais de 10 anos. Não precisa ter conhecimento na área da saúde, precisa ter conhecimento técnico, administrativo, jurídico e contábil. Quem tem que ter conhecimento de saúde é o corpo clínico”, dispara.


O promotor de justiça também respondeu aos questionamentos das entidades. Gildin afirmou que, “esclareço, todavia, que liberações, como a referida, a qual trata da indicação dos Membros do Conselho Curador são tomadas em assembleias realizadas pela própria Fundação/HSJD, independente da atuação deste órgão”, explica. O presidente da AACO afirma que a sua maior preocupação ao deixar o Conselho Curador é descobrir as falhas da administração do hospital e fazer um trabalho para que estas falhas não se repitam. “Acaba a intervenção estadual, e daí para frente quem vai tomar conta? Vai voltar a administração dos 40 anos atrás? Isso que nos preocupa. Até para alertar à população que cobre essa atitude”, conclui.

© 2009-2019. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.