sexta-feira, 14 de Fevereiro de 2014 03:43h Mariana Gonçalves

Abandono da UBS no Belvedere II revolta moradores

Após a construção da Unidade Básica de Saúde (UBS) no bairro Belvedere II , os moradores acreditaram que a situação pelo menos na área da saúde iria melhorar, porém, esse sonho não se concretizou.

Fato esse que está revoltando a população, a qual na teoria seria assistida por essa unidade.
O imóvel utilizado para a UBS já está praticamente todo pronto, faltando apenas a finalização da área externa, e no espaço interno questões como fiação e materiais de acabamento. A população pede que as autoridades tomem providencias, pois o imóvel mal foi construído e já está com cara de obra antiga, devido ao descaso da prefeitura.
A equipe de reportagem da Gazeta esteve na UBS e constatou o abandono do local. A placa que servia como porta improvisada para acesso ao imóvel já não está mais lá, sendo assim a “casa” está aberta para quem quiser entrar. Segundo a população isso tem sido um grande problema, pois como no local não há iluminação, a noite moradores de rua e usuários de drogas frequentam o espaço e acabam por trazer insegurança a quem reside próximo a UBS.
Em meados de 2013, a população dos bairros Belvedere I e II, Bela Vista, Realengo, João Paulo, Chanadour, Ponte de Ferro, Jardim Alterosa e São Paulo se uniram para criar um abaixo assinado chamando e exigindo a atenção do poder público para a conclusão da unidade de saúde. O documento foi encaminhado a prefeitura, porém, a solicitação da população não foi atendida e a situação continua da mesma forma.
Fabiana Lima, comerciante, diz que a população já está cansada de esperar, pois vários pedidos e protestos foram realizados e em nada resultou. Além disso, muitas pessoas têm que recorrer a outras regiões da cidade para serem atendidas.  “O atual posto de saúde que nos atende funciona no Belvedere I, e infelizmente não está atendendo a demanda dessa região. Está bem precário e com excesso de pessoas para serem atendidas, tem só dois médicos e que ainda atendem em horários alternados por falta de espaço físico na unidade. Outra coisa é que não estão dando prioridade aos atendimentos de idosos, crianças e gestantes” afirma. 
Lima desabafa e diz que “se metade da atenção que está sendo dada a construção do Hospital Municipal fosse dada as unidades de saúde dos bairros, parte dos problemas voltados para a saúde da população no município seriam resolvidos”.
Não é de hoje que a Gazeta acompanha a insatisfação da população com essa obra. Em matérias já publicadas, trouxemos o depoimento de pessoas da região, relembre alguns deles.
“Eu tenho pressão alta, diabetes e há dias que eu passo mal e não tenho o aparelho para aferir a pressão. Então até que consigo chegar ao posto complica ainda mais porque preciso pegar dois ônibus. Nós precisamos dessa unidade de saúde que está aqui com as obras paradas” declara a aposentada Adélia Ricardo.
“Fico com dó da comunidade. Minha irmã, por exemplo, tem filhos pequenos e muitas das vezes precisa ir ao posto e não tem como. É muito complicado termos aqui no bairro um posto de saúde quase pronto, porque acredito que em relação a obra falta pouco mesmo para terminar. E com isto, termos que ir para um local lotado sendo que aqui nós poderíamos estar sendo atendidos com tranquilidade, é muito ruim” finaliza Aparecida Xavier.

PRIORIDADE

Em nota enviada pela assessoria de comunicação da prefeitura obtivemos a seguinte informação. “A Prefeitura de Divinópolis informa que a conclusão das obras e funcionamento das novas Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) são prioridades definidas para 2014. Ainda que constem de parte importante no processo da nova concepção de reformulação de assistência na rede, o atraso no cronograma de implantação, devido as dificuldades de fluxo financeiro, não compromete o atendimento à população na região das mesmas, pois usuários continuam assistidos em suas unidades de referência. A construção dos novos prédios possibilitará, em espaço melhor e mais amplo, ampliação dos processos de trabalho desenvolvidos na atenção primária à saúde das unidades já existentes”.
No Diário Oficial de ontem foi publicado o edital para a contratação de empresas para finalizar a construção somente das UBSs dos bairros Tietê e Sagrada Família.

DE OLHO

O Ministério da Saúde desenvolveu o Sistema de Monitoramento de Obras com o intuito de acompanhar todas as obras de engenharia e infraestrutura de Unidades Básicas de Saúde, Unidades de Pronto Atendimento e Academias da Saúde financiadas com recurso Federal. Tornando-se uma ferramenta para o gerenciamento de todas as fases da obra.
O sistema possibilita comparativos do planejado e do executado de cada obra, assim como suas fases e etapas, podendo o gestor comparar o cronograma pré-definido da obra, realizado por profissional especializado, com o andamento real, oferecendo uma visão financeira e executiva de toda a obra.
O Ministério da Saúde por meio desse sistema visa contribuir para estruturação e o fortalecimento do Sistema Único de Saúde, SUS, e para a continuidade da mudança do modelo de atenção à saúde no País, propondo que a melhoria da estrutura física dos estabelecimentos de saúde seja facilitador para a mudança das práticas.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.