quinta-feira, 15 de Maio de 2014 06:46h Atualizado em 15 de Maio de 2014 às 08:22h. Anna Paula Rodrigues

Aeroporto de Divinópolis sedia Curso de Resgate Aéreo

Durante todo o dia equipes do Samu, Polícia Rodoviária Federal e Exército de diversas partes do país passaram por treinamento que será intensificado para o Mundial de 2014.

Um treinamento de Resgate Aéreo foi realizado durante todo o dia de ontem no aeroporto Brigadeiro Cabral em Divinópolis. O curso de prestação de serviço aeromédico é uma parceria do Ministério da Saúde com a Polícia Rodoviária Federal e habilita médicos e enfermeiros da Polícia Rodoviária Federal e do Samu para resgates aéreos.
A parceria existe desde 2004 e vem sendo aplicado para que as equipes possam atuar nas cidades onde serão sediados os jogos da Copa do Mundo no Brasil. Já existem bases de resgate no estado de Santa Catarina e em Curitiba, Recife e Brasília.
“Em Minas Gerais, estaremos atuando em Belo Horizonte, nos meses de junho e julho. Por isso, o treinamento nessa região”, afirmou o comandante, Robert, da PRF de Brasília.
A equipe conta com 33 médicos e enfermeiros da Polícia Rodoviária Federal de Minas, Samu de Sete Lagoas e Contagem, além de profissionais vindos de outros estados como Mato Grosso do Sul, Paraíba e Distrito Federal. “O treinamento consiste em habilitar estes profissionais a tripular as aeronaves entre bases, tanto para a Copa quanto para bases fixas. E como operamos em diversos estados, em entroncamentos de rodovias, solicitamos pessoal capacitado para tripular as aeronaves”, complementa o comandante.
O principal foco de atuação serão as rodovias. Porém, nada impede que resgates aéreos sejam feitos em centros urbanos.

 

 

Deslocamento das vítimas
No momento em que é feito o resgate, a equipe e o comandante da aeronave entram em contato com a unidade hospitalar para onde a vítima será transferida. “Qualquer ocorrência com o paciente durante a transferência aérea é reportada ao piloto que informa via rádio à central de regulação, onde são informados o estado da vítima, previsão de chegada e qualquer outra ocorrência que pode surgir durante o trajeto. Por isso, existe uma comunicação interna entre a tripulação e do piloto com a central de regulação”, explicou a instrutora do Samu do Distrito Federal e enfermeira, Júlia.
Já na aeronave, após decidido o destino, a equipe tripulante monitora e estabiliza o paciente, e conta com diversos equipamentos para que o paciente se mantenha estabilizado. “Temos diversos equipamentos como oxigênio, desfibrilador, respirador, cardiopressor, marca-passo subcutâneo, entre outros. Tudo o que se precisa para dar um suporte avançado de vida ao paciente”, completou a enfermeira e coordenadora do Serviço Aeromédico do Samu-DF, Mônica.
O treinamento teve início no dia 13 e termina dia 17. Para o treinamento, foram utilizados um helicóptero e um avião Seneca III. Este foi o 9º Treinamento de Resgate Aéreo da Polícia Rodoviária Federal e do Samu.  A 10ª edição será realizada no Rio de Janeiro.

 

Crédito da foto: Anna Paula Rodrigues.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.