terça-feira, 2 de Fevereiro de 2016 08:53h Atualizado em 2 de Fevereiro de 2016 às 08:58h. Mariana Gonçalves

“Aids não dá para adivinhar quem tem!”, campanha faz alerta aos foliões neste carnaval

O feriado chegou mais cedo este ano, daqui a menos de uma semana, milhões de brasileiros já estarão prontos para uma maratona de festa, diversão, blocos de rua, trios elétricos e samba no pé

Para aproveitar todos os dias com saúde e disposição, é preciso tomar alguns cuidados, não importa se o palco da sua folia será as ruas da sua cidade, a praia ou até mesmo o campo, longe de toda a agitação.
A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) trabalha com a temática: “Aids: não dá pra adivinhar quem tem. Neste carnaval, a melhor atitude é usar camisinha sempre”. A proposta visa sensibilizar a população sobre a importância da prevenção da Aids e as Doenças Sexualmente transmissíveis (DSTs) durante o carnaval, além de oferecer dicas e informações importantes para que o folião possa se divertir sem esquecer da sua saúde.

 

 

NO ESTADO

Em 2015, 3.055 pessoas foram diagnosticadas com HIV e/ou Aids em Minas Gerais. Já em 2014, foram diagnosticados 3.415 novos casos. A faixa etária com maior número de diagnósticos é a de 20 a 34 anos de idade, com 1.481 novos casos em 2015 e 1.542 novos casos em 2014. Mesmo que a doença tenha tratamento, ainda não existe cura para a Aids. Para a prevenção, a camisinha é o método mais eficaz, protegendo também contra outras Doenças Sexualmente Transmissíveis.
Atualmente, não há mais distinção entre pessoas que fazem parte de um grupo de risco para contaminação pelo HIV e outro grupo que tem menos chances de ser contaminado. O que existe é a classificação de um comportamento de risco, praticado por qualquer pessoa que tenha relação sexual sem o uso de preservativos, compartilhe seringas e agulhas, ou reutilize objetos perfurantes ou cortantes com a presença de sangue ou fluídos contaminados pelo HIV.
O diagnóstico de infecção por HIV pode ser feito nas Unidades Básicas de Saúde do SUS, por meio de um exame de sangue convencional. Também é possível detectar o vírus através dos testes rápidos disponíveis nos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA), presentes em 62 municípios de Minas Gerais. Os testes são oferecidos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e podem ser feitos de forma anônima. Acesse a lista com a relação dos centros de aconselhamento e testagem (CTA) de Belo Horizonte e Região Metropolitana e interior de Minas Gerais.

 

 

FIQUE POR DENTRO

O HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana. Causador da Aids, ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. E é alterando o DNA dessa célula que o HIV faz cópias de si mesmo. Depois de se multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção.
A Aids é o estágio mais avançado da doença, que ataca o sistema imunológico. A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, como também é chamada, é causada pelo HIV. Como esse vírus ataca as células de defesa do nosso corpo, o organismo fica mais vulnerável a diversas doenças, de um simples resfriado a infecções mais graves, como tuberculose ou câncer.
Além disso, é importante lembrar que todo o tratamento de HIV/Aids é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS), permitindo que o soropositivo possa ter acesso aos medicamentos gratuitamente e com qualidade de vida. Por conta disso, o Brasil é referência internacional no tratamento de Aids, disponibilizando ao cidadão o coquetel de medicamentos, bem como o acesso gratuito à testagem de sorologia e ao preservativo (camisinha).

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.